Simpósio abrirá campanha por mais transplantes no Estado

Em 2016, foram realizados no Pará 195 transplantes de córnea e 57 transplantes de rim. Pelo menos até julho deste ano, a fila de espera no Estado era de 1047 pessoas para a córnea e 542 para o rim. O desafio constante de mudar esse cenário será o mote da abertura da campanha “Setembro Verde”, que acontecerá simultaneamente com a realização do II Simpósio de Doação de Órgãos, que será realizado neste sábado, 02, de 8 às 18 horas, pelo campus BR da Universidade da Amazônia (Unama) em parceria com a Central de Transplante de Órgãos da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

Com foco na população acadêmica, o evento tem o objetivo de divulgar informações e elevar os resultados da doação e transplantes de órgãos e tecidos no Estado do Pará. A coordenadora da Central de Transplantes da Sespa, Ana Beltrão, destaca que a campanha vem reforçar a importância do gesto de doação com mais informações que possam convencer a sociedade em favor da solidariedade, além que a iniciativa já faz parte do calendário oficial do governo estadual. Outro objetivo é elevar os resultados da doação e transplantes de órgãos e tecidos no Pará.

A coordenadora da Central de Transplantes da Sespa, Ana Beltrão.
FOTO: JOSÉ PANTOJA / ASCOM SESPA
BELÉM – PARÁ

“Para se tornar um doador de órgãos basta avisar a família, elemento que ainda tem se tornado o principal motivo para a não doação por vários motivos, seja pela desinformação ou por motivos religiosos”, acrescenta Ana Beltrão. Segundo ela, a doação só poderá ocorrer se houver autorização da família. Daí a importância do potencial doador, ainda em vida, manifestar esse interesse entre os mais próximos de sua convivência e esclarecê-los sobre o desejo de se tornar doador após a morte.

No Pará são realizados os transplantes de rim e córnea nos hospitais Ophir Loyola (córnea e rim), Saúde da Mulher (somente rim, porém já credenciado o de medula óssea para convênios e particulares), Betina Ferro (córnea pelo SUS), Clínica Cinthia Charone (córnea privado e SUS), além de algumas clínicas privadas credenciadas para transplante de córnea. Em Santarém, por meio do Sistema Único de Saúde e da rede privada, realiza-se a captação de córneas e rins para transplantes. Também já está credenciado o transplante renal no Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), que durante este ano  já realizou seis transplantes de rins.

A captação ocorre principalmente em Belém e Santarém, em locais onde é possível fazer os procedimentos legais necessários, principalmente no Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (90% dos casos). Outros hospitais necessitam criar condições para captação de múltiplos órgãos, como por exemplo, fazer o diagnóstico de morte encefálica conforme a Resolução 1480/1997 do Conselho Federal de Medicina (CFM).

A Central de Transplantes coordena todos os processos de doação, captação e transplantes de órgãos e tecidos; cadastra equipes, hospitais e clínicas para realização de transplantes; monitora e supervisiona o Sistema de Lista de Espera de acordo com Legislação Federal. Todo o processo de registros e informações das doações e transplantes ocorre on-line com o Sistema Nacional de Transplantes do Ministério da Saúde.

A Central de Transplantes atende pelos telefones 98115-2941 e 3223-8168 e pelo cncdo.transplantes@gmail.com. As inscrições no simpósio podem ser feitas no site (https://extensao.unama.br/DetalhesEvento.aspx?EventoId=4462) e devem ser confirmadas no dia do evento com a entrega de um pacote de fralda geriátrica de tamanho M. As doações serão revertidas para a Associação dos Renais Crônicos e Transplantados do Pará (ARCT-PA).

Confira a programação completa do Simpósio: https://pt.scribd.com/document/357785454/II-Simposio-de-Doacao-de-Orgaos-Definitivo

 

 

Você pode gostar...