Sespa recomenda que municípios prossigam na vacinação contra a raiva animal

A Coordenação Estadual de Zoonoses da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) informa que está em curso a campanha de vacinação antirrábica de cães e gatos, para a qual estão sendo disponibilizadas cerca de 1,5 milhão de doses de vacinas aos 144 municípios, para que cada um realize sua campanha da vacinação até 31 de dezembro deste ano. As vacinas foram enviadas ao Pará pelo Ministério da Saúde. O objetivo principal da mobilização é manter erradicada a raiva animal e humana no Estado.

Fotos: Mozart Lira – Ascom Sespa

O Dia D da campanha ocorreu neste sábado, 25, mas os municípios devem continuar vacinando, segundo critérios próprios adotados pelas Secretarias Municipais de Saúde. Caninos e felinos a partir de três meses de idade devem ser vacinados. Para a vacinação é necessária a apresentação da carteirinha do animal, mas se o dono não possuir o documento, um novo é fornecido no ato da vacinação.

A Sespa recomenda, ainda, que as secretarias municipais de Saúde façam suas campanhas em postos fixos, postos volantes, casa a casa ou mistos, visando atingir uma população estimada de 1.505.168 animais, dos quais 1.152.122 cães e 353.046 gatos.

Para a campanha em todo o Estado, há uma estimativa de que sete mil postos sejam abertos à população, com a atuação de 17 mil profissionais de saúde dos municípios, sendo 15 mil de nível médio e dois mil de nível superior.

Fotos: Mozart Lira – Ascom Sespa

O coordenador estadual de Zoonoses da Sespa, Fernando Esteves, assinala que a campanha é essencial, visto que o Pará é um dos Estados brasileiros que têm prioridade para receber as doses de vacinas antirrábicas por ter registrado casos de raiva humana em 2004 e 2005. Mesmo após todo esse tempo é preciso sempre vacinar por conta da transmissão também por morcegos.

Nota técnica da equipe de Zoonoses complementa que “dentre os casos de raiva humana transmitidos por espécies urbanas domésticas, os últimos ocorridos foram: por felino (gato doméstico), em outubro de 1994, em um menino de Novo Repartimento; e por canídeo (cão doméstico), em fevereiro de 2002, em paciente masculino adulto, oriundo do município de Itupiranga”.      .

Segundo informações do Ministério da Saúde, a raiva é uma doença infecciosa aguda causada por um vírus que acomete mamíferos, inclusive o homem, e é transmitida principalmente por meio da mordida de animais infectados. A raiva apresenta letalidade de, aproximadamente, 100%, e alto custo na assistência preventiva/curativa às pessoas expostas ao risco de adoecer e morrer.

Fotos: Mozart Lira – Ascom Sespa

Nos casos de agressão ao ser humano, a orientação é procurar imediatamente assistência médica nas unidades de saúde do Sistema Único de Saúde. O médico deve avaliar se há necessidade ou não de prescrição que atenda os esquemas de profilaxia contra a raiva. As vacinas estão sendo enviadas pela Sespa aos Centros Regionais de Saúde (CRS), que estão já disponibilizando o material para as secretarias municipais de saúde.

Por Mozart Lira

Você pode gostar...