População deve ficar atenta aos sintomas de meningite

Em função das chuvas, as pessoas tendem a ficar mais aglomeradas, como em ônibus, escolas e outros locais, o que facilita a transmissão da meningite, uma doença que pode ser causada por diversos agentes infecciosos como bactérias, vírus, fungos e não infecciosos como os traumatismos.

Devido à gravidade, merecem maior preocupação as meningites bacterianas meningocócica, pneumocócica, tuberculosa e a causada pelo Haemophilus Influenza, que acometem as membranas do sistema nervoso central, chamadas de meninges. Alguns desses agentes como é o caso do Haemophilus tipo B, o Meningococo tipo C e o Pneumococo, podem ser evitados com vacinas que fazem parte do calendário básico de vacinação.

A transmissão da meningite é de pessoa para pessoa, por via aérea, isto é, tosse, gotas de saliva de uma pessoa contaminada para outra. Em crianças maiores e adultos, os principais sintomas são febre, dor de cabeça forte, náuseas, vômitos, dor e enrijecimento da nuca, e manchas pelo corpo.

População e os profissionais de saúde devem ficar atentos, especialmente, em relação à meningite meningocócica, que entre os sintomas, além de febre e dor de cabeça, tanto em criança como adulto, apresenta pintas arroxeadas, que com o passar do tempo unem-se e se tornam manchas, bem diferentes das pintas vermelhas apresentadas em casos de dengue, que também causa febre, dor de cabeça, dor nos olhos, músculos e juntas.

Em crianças de até oito ou nove meses, deve-se suspeitar da doença quando há febre, irritação ou agitação, vômitos e recusa alimentar, convulsões e “moleira” inchada.

Casos suspeitos – O atendimento aos pacientes com suspeita de ter contraído meningite é realizado na Unidade de Diagnóstico de Meningite (UDM), que foi inaugurada em 2011, no Hospital Universitário João de Barros Barreto (HUJJB), onde, desde então, funciona por meio de parceria com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

O quadro funcional da UDM é composto totalmente por funcionários Sespa concursados, ou seja, nove médicos, cinco enfermeiros, quatro maqueiros, 14 técnicos de enfermagem, quetro assistentes sociais e 11 agentes administrativos. A UDM funciona 24horas durante os sete dias da semana sempre com um médico de plantão, um enfermeiro, 3 técnicos de enfermagem, um maqueiro, dois agentes administrativos e uma assistente social.

O médico infectologista e gerente geral da UDM, Herbert Cordeiro, informou que a Unidade recebe todos os pacientes referenciados por qualquer serviço público ou privado sem exceções, preferencialmente, referenciados por um profissional médico, a não ser que não haja médico no local do primeiro atendimento.

Cordeiro disse que, inicialmente, o paciente é submetido à coleta do líquido cefalorraquidiano para posterior análise laboratorial. Com o resultado do exame em mãos o médico definirá o caso. “Em casos positivos para meningites de etiologias bacterianas, fúngicas e tuberculosas, o paciente será inicialmente internado em um dos quatro isolamentos ou em um dos seis leitos disponíveis conforme o diagnóstico”, explicou o infectologista.

Durante o ano de 2017, foram atendidos 1.322 pacientes para realização de coleta de líquor para diagnóstico. Além disso, são realizadas diariamente coletas de líquor para acompanhamento de pacientes em tratamento ambulatorial.

Quanto à orientação aos profissionais de saúde, Cordeiro destaca a necessidade de coletar uma boa história clínica e atentar para as alterações ao exame físico e, em caso de dúvida, encaminhar ao serviço de diagnóstico de meningites (UDM).

As principais medidas preventivas contra a meningite são as vacinas, manter a casa arejada e evitar aglomerados. Portanto, à população, ele orienta que mantenha ambientes ventilados, evite aglomerados de pessoas e mantenha o calendário vacinal das crianças atualizado. “Em casos suspeitos deve procurar atendimento médico o mais breve possível e, em casos confirmados, as pessoas que mantiveram contato com o doente devem seguir as orientações da vigilância epidemiológica e, caso necessário, realizar profilaxia da doença”, detalhou o gerente geral da UDM.

Serviço: para o primeiro atendimento, os usuários do SUS devem procurar as Unidades Básicas de Saúde ou as Unidades de Pronto Atendimento (UPA).