Sespa realiza campanha de verão de enfrentamento ao escalpelamento

Com o tema “Nenhum barco sem proteção do eixo do motor”, a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) por meio da Coordenação Estadual de Mobilização Social (CEMS), vinculada a Diretoria de Políticas de Atenção Integral à Saúde (DPAIS), realizará amanhã (03), o lançamento da campanha de verão de Enfrentamento ao Escalpelamento nos 46 municípios com registro de acidentes. Em Belém ocorrerá nos Portos da Feira Açaí, Porto da Palha e Porto do Açaí. Os servidores e voluntários estarão fazendo abordagem direta aos barqueiros e usuários com material educativo.

FOTO: MOZART LIRA (ASCOM/SESPA).

“Estamos trabalhando incansavelmente para zerar o escalpelamento em nossos rios, furos e igarapés, é necessário fortalecer a rede de prevenção com a participação dos gestores municipais, Saúde, Educação e Assistência. O número vem reduzindo e os dados mostram que a estratégia está dando resultado”, disse Socorro Silva, coordenadora estadual de Mobilização Social.

A campanha é uma das cinco grandes mobilizações pontuais que consta no plano estadual da Comissão Estadual de Enfrentamento aos Acidentes com Escalpelamento  (CEEAE) que visa intensificar o enfrentamento ao escalpelamento. O fluxo de pequenas embarcações são maiores no período das férias escolares e esse fator aumenta o risco de acidentes. No Marajó e Baixo Tocantins são as regiões mais afetadas, assim como as outras que há influência hidrográfica.

“O objetivo da campanha é orientar a população que costuma viajar de barco, aproveitando o grande fluxo de pessoas que deixa as cidades rumos aos interiores no mês das férias, para prevenir os casos de escalpelamento, acidente causado pelo eixo exposto dos motores das embarcações que atinge principalmente as mulheres e menimas reibeirinhas. Além de arrancar parte ou todo o couro cabeludo, causando intenso sofrimento físico e psicológico nas vítimas, esse tipo de acidente pode levar à morte”, explicou Socorro.

No campo preventivo, a Sespa vem se empenhando em combater o escalpelamento, sobretudo há dez anos, quando foi criada a Comissão Estadual de Erradicação dos Acidentes com Escalpelamento, que já promoveu, entre outras atividades, a ação de cobertura de carenagens, feita pelos militares da Capitania dos Portos, responsável pelas ações de segurança naval nos rios do Pará. A colocação de proteção no eixo do motor, procedimento feito em parceria com a Sespa, tornou-se obrigatório em 2009, por meio de lei federal.

“A maior parte dessas vítimas é de ribeirinhos, que têm no barco seu principal meio de transporte. O trabalho consiste na orientação dessa população acerca das medidas preventivas que podem evitar esses acidentes. A meta da Sespa é zerar esse tipo de ocorrência no Pará”, acrescentou Socorro Silva.

Desde então, mais de três mil embarcações receberam proteção nos eixos. A instalação não tem custo para o dono dos barcos, porque é patrocinada por empresas privadas. A medida é um reflexo de dez anos de campanhas preventivas, que contaram ainda com a adesão de grupos de mestres carpinteiros, responsáveis pela construção de pequenas e médias embarcações utilizadas como principal meio de transporte de quem vive nas áreas onde os rios, furos e igarapés são as únicas ‘estradas’ disponíveis – e que corresponde a 63% dos municípios paraenses.