Campanha Novembro Azul investe em informação e na saúde integral do homem

Após o mês dedicado às mulheres com a campanha “Outubro Rosa”, os homens são o alvo da campanha “Novembro Azul”, dedicada às ações relacionadas à saúde integral masculina. Ao longo do mês, profissionais da Coordenação Estadual de Saúde do Homem, da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), atenderão convites de instituições públicas e privadas para ministrar oficinas sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH), criada pelo Ministério da Saúde com o objetivo de prevenir doenças crônicas, como hipertensão arterial e diabetes, e outras mais graves – cânceres de pênis e de próstata. A campanha estadual será lançada na próxima segunda-feira (5), no auditório David Mufarrej, do campus Alcindo Cacela da Universidade da Amazônia (Unama), em Belém, a partir das 8h30. Na ocasião, o tema “Masculinidade e Homem” será abordado pelo coordenador nacional de Saúde do Homem, Francisco Norberto Moreira.

Na sequência de palestras, haverá relatos e experiências da execução do pré-natal do parceiro, já adotada na Unidade de Saúde Básica do Tapanã, por meio da assistente social Marian Coelho, seguida pela palestra “Saúde mental no universo masculino”, com a socióloga e técnica da Coordenadoria de Saúde Mental de Sespa, Jeanne Vinagre.

Haverá também uma programação a ser definida com a Secretaria de Saúde de Belém (Sesma), que mantém unidades de saúde específicas para atender demandas masculinas, nos bairros da Marambaia e Condor. Conforme o que preconiza o protocolo do Sistema Único de Saúde (SUS), as ações de saúde alusivas à campanha devem ser executadas pelas secretarias de Saúde dos municípios.

FOTO: JOSÉ PANTOJA / ASCOM SESPA

 Vínculo – Toda essa articulação visa aproximar a população masculina dos serviços de saúde mantidos pelos municípios, criando um vínculo com quem, em geral, resiste a procurar assistência médica, disse o coordenador estadual de Saúde do Homem, Carlos Alexandre Coelho.

A Política de Saúde do Homem ainda é recente, e os profissionais de Saúde, sobretudo das unidades básicas, ainda estão sendo capacitados para receber a população masculina. Pelo parecer da Sespa, as redes municipais de saúde precisam se estruturar para atender as demandas da população masculina e sensibilizar para o autocuidado, a fim de que o homem busque com mais frequência a assistência médica, investindo na prevenção, e não só quando já está doente.

Desde que foi criada, em 2010, por recomendação do Ministério da Saúde a todos os Estados, a Coordenação tem atuado com campanhas de prevenção nos municípios, sobretudo com palestras e capacitação de profissionais das unidades básicas de saúde. Um dos resultados é que em Belém, especificamente, o programa de Saúde do Homem foi implantado em maio de 2013 pela Secretaria de Saúde do Município (Sesma), para funcionar na Unidade Municipal de Saúde da Tavares Bastos, no bairro da Marambaia.

A campanha “Novembro Azul” reforça esse conjunto de esforços realizados ao longo do ano, com enfoque na mudança do estilo de vida, contra o sedentarismo e a obesidade. Pelas estatísticas da Sespa, os homens morrem mais cedo que as mulheres por falta de cuidado, sendo as maiores vítimas de doenças crônicas, como hipertensão e diabetes, e de causas externas, como violência no trânsito. Pelos dados oficiais, a principal causa de internação masculina no Estado é externa (esfaqueamentos, traumatismo e envenenamento).

No Pará, o número de mortes entre a população masculina com mais de 20 anos oscilou entre 5 mil e 5.550 ao ano, no período de 2014 a 2017. As mortes são ocasionadas, sobretudo, por doenças do aparelho circulatório (20,15%), doenças do aparelho circulatório (19,63%), doenças infecciosas e parasitárias (17,36%), causas externas e ligadas à violência (11,18%), doenças do aparelho digestivo (8,79%), tumores (8,16%) e doenças do aparelho geniturinário (6,12%).

Programa – Em dezembro de 2016, profissionais da Coordenação Estadual de Saúde do Homem lançaram o programa Pré-Natal do Parceiro, como parte das estratégias do guia homônimo lançado pelo Ministério da Saúde, cujo objetivo é orientar o homem a exercer a paternidade desde o planejamento reprodutivo do casal, passando pelo pré-natal, parto e atenção às crianças, por meio da realização de exames de rotina, de testes rápidos, da atualização da carteira vacinal e da participação nas atividades educativas nos serviços de saúde.

O público-alvo é formado por homens jovens e adultos, entre 20 e 59 anos. Na prática, o programa recomenda que ao chegar à unidade de saúde o homem seja atendido por um profissional de saúde e realize exames, como sorologia para hepatite B e C, HIV e sífilis, diabetes e colesterol, além de aferir a pressão arterial e receber informações sobre o risco e a prevenção das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs). Caso necessário, serão solicitadas consultas complementares e a realização de outros exames preventivos.

Para a Sespa, é preciso um empenho maior dos municípios na adesão ao programa, que pode contribuir para reduzir a transmissão vertical da sífilis e do HIV e preparar o homem para o exercício da paternidade ativa, visto que o guia orienta apoio à parceira durante toda a gestação, além dos cuidados básicos com o recém-nascido, como as orientações que favorecem a amamentação até os 2 anos de idade e, exclusivamente até os seis meses do bebê, conforme recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Serviços: Empresas e instituições interessadas em palestras sobre a PNAISH podem entrar em contato pelo e-mail da Coordenação Estadual de Saúde do Homem – cesh.sespa@gmail.com

 

Texto: Mozart Lira – Ascom/Sespa

Foto: José Pantoja – Ascom/Sespa