Campanha Março Lilás alerta sobre o câncer do colo do útero

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) lançará, nesta se

gunda-feira (11), no auditório do Igeprev, a Campanha “Março Lilás por todo o Pará – Prevenção e Controle do Câncer do Colo do Útero”, que tem o objetivo de mobilizar as mulheres e chamar a atenção da população paraense sobre a importância da prevenção e diagnóstico precoce do câncer do colo do útero.

As principais ações da Campanha são a busca ativa de mulheres de 25 a 64 anos de idade para realizarem o exame preventivo do câncer do colo do útero (PCCU) nas unidades de saúde; estímulo à vacinação contra HPV e a realização de mutirões de procedimentos de diagnóstico e tratamento de lesões precursoras do câncer de colo uterino, por meio de consultas especializadas, colposcopia, biópsia e exérese de zona de transformação do colo do útero (EZT).

Os mutirões incluem o atendimento de 100 mulheres na Unidade de Referência Materno-Infantil e Adolescente (Uremia), de 60 mulheres no Hospital Regional de Breves (HRB), 10 cirurgias de câncer do colo do útero no Hospital Regional Público do Leste em Paragominas e 30 cirurgias ginecológicas no

Meta de exames – De acordo com a coordenadora estadual de Atenção à Oncologia, Patrícia Martins, em 2019, o Pará tem uma meta de realizar cerca de 250 mil exames preventivos do câncer do colo do útero, visando ao alcance de 40% do indicador de saúde 11, que é a razão de exames citopatológicos do colo de útero em mulheres na faixa etária de 25 a 64 anos, pois em 2018, mais de 100 mil exames deixaram de ser realizados.

“A campanha visa, especialmente, a incentivar os municípios a fazer busca ativa das mulheres que nunca fizeram o exame ou estão há três anos sem fazê-lo, a ampliar a oferta do PCCU e a melhorar a qualidade do exame citopatológico. Também queremos levar informações e estimular a população feminina para os cuidados de prevenção e controle do câncer uterino, assim como alertar para os sinais e sintomas que devem direcionar a mulher a buscar atendimento na rede de atenção à Saúde no SUS”, explicou a coordenadora.

Segundo Patrícia, a campanha se justifica porque, conforme o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a região Norte se destaca no cenário nacional por ser a única onde o câncer uterino é o mais incidente e é a maior causa de morte por câncer entre as mulheres, superando o câncer de mama, que é o maior do país. “A estimativa conforme o Inca é que haja 860 novos casos de câncer do colo uterino em 2019, no Pará”, acrescentou.

Para se ter uma ideia da situação, conforme dados coletados das Unidades de Alta Complexidade em Oncologia do Hospital Ophir Loyola (HOL), Hospital regional do Baixo Amazonas (HRBA) e Hospital Universitário João de Barros Barreto (HUJBB), de 2009 a 2016, o câncer do colo do útero foi o mais prevalente no Pará com 2.537 casos, seguido do câncer de mama com 2.206 casos. No que se refere aos óbitos por câncer cervical, o Pará vem registrando queda desde 2016, quando foram registrados 350 óbitos. Caiu para 346 óbitos em 2017 e 321 em 2018.

Patrícia enfatizou que o exame preventivo é a principal estratégia para detectar lesões precursoras do câncer e fazer o diagnóstico da doença e sua realização periódica permite reduzir a morbimortalidade pela doença.  “O exame pode ser feito em unidades de saúde da rede pública que tenham profissionais capacitados para isso, já que o material só pode ser colhido por um profissional enfermeiro”, observou.

HPV – Ela falou, ainda, da importância de se elevar a cobertura vacinal contra o Papilomavírus Humano (HPV) no estado, uma vez que o câncer de colo de útero é causado pela infecção persistente de alguns tipos desse vírus chamados oncogênicos.  Pois, segundo a Coordenação Estadual de Imunizações, no Pará, em 2018, a média de cobertura total de ambos os sexos foi de apenas 18% e o ideal é que esse percentual ultrapasse os 80% ao ano. A vacina está disponível nas unidades de saúde para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos

Eventos – Sobre a programação da campanha, Patrícia informou que a abertura, na próxima segunda-feira (11), contará com palestras sobre “O que é o Câncer de Colo do Útero, Prevenção, Diagnóstico e Tratamento”, Epidemiologia e Rede de Serviços de Média e Alta Complexidade no Controle do Câncer de Colo do Útero” e apresentação da campanha e seus objetivos.

No dia 16 de março, haverá mobilização na Praça Olavo Bilac, no bairro da Terra Firme, tendo como destinatárias mulheres e comunidade em geral, que terão acesso à avaliação de saúde e rastreamento de fatores de risco além de práticas de Educação em Saúde; serviços de saúde bucal com palestras educativas e escovação supervisionada, consultas médicas, verificação de pressão arterial e teste de glicemia, aplicação de vacinas tríplice viral (sarampo, rubéola e caxumba), difteria e tétano, febre amarela e HPV, avaliação e orientação nutricional, testes rápidos de sífilis, HIV e hepatite, prevenção de queda na terceira idade, orientação sobre aleitamento materno, distribuição de carteira de saúde para os adolescentes e orientação sobre combate ao tabagismo.

Já no dia 21 de março, no auditório do HOL, acontecerá o Seminário Técnico sobre Detecção Precoce, Diagnósticos e Tratamento do Controle do Câncer de Colo do Útero para 150 profissionais de saúde e áreas afins dos municípios, Centros Regionais de Saúde e outras instituições.

Nessa área de capacitação, também haverá, de 25 a 29 de março, um Curso de Atualização no Controle do Câncer de Mama, Colo de Útero e Coleta de Papanicolau, promovido pela Escola Técnica do SUS (ETSUS) em parceria com a Uremia, para 20 enfermeiros da Região Metropolitana de Belém (RMB).

A Campanha Março Lilás será encerrada com uma grande caminhada, no dia 31 de março, no Parque do Utinga, em parceria com a Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (SEEL) e Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-Bio).

Texto: Roberta Vilanova

Foto: José Pantoja

Arte do banner: Daniella Eguchi

Você pode gostar...