Projeto Paciente Seguro realiza reunião de alinhamento

Reunião de alinhamento do Projeto Paciente Seguro no auditório do Hospital Ophir Loyola

Foi realizada, nesta segunda-feira (18), no auditório do Hospital Ophir Loyola (HOL), a reunião de alinhamento com os representantes dos hospitais paraenses, que vão participa do Projeto Paciente Seguro. O objetivo do projeto é implantar o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP) do Ministério da Saúde, que visa a contribuir para a qualificação do cuidado em estabelecimentos de saúde, melhorando a segurança do paciente em hospitais públicos.

O projeto é coordenado pelo Hospital Moinhos de Vento e é desenvolvido por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS).

A reunião foi coordenada pela fisioterapeuta e técnica do PNSP, Luciana Yumi Ue, e contou com a presença do secretário de Estado de Saúde, Alberto Beltrame.

Luciana Yumi Ue, representante do Ministério da Saúde

Luciana informou, inicialmente, que o Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA) foi o primeiro hospital paraense a participar do Projeto Paciente Seguro em 2017 e não por indicação da Secretaria como acontecia antes com outros projetos do Ministério da Saúde, e sim por iniciativa do próprio hospital que se candidatou e foi aceito pelo PNSP, por preencher todos os pré-requisitos exigidos. “O HBA se candidatou ao projeto e evoluiu muito bem”, ressaltou Luciana, acrescentando que agora será a vez do Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HME) e Hospital Municipal de Santarém.

Alberto Beltrame, secretário de estado de Saúde

O secretário Alberto Beltrame enfatizou que com medidas simples é possível evitar diversas situações que colocam em risco a vida do paciente internado. Como exemplo, ele citou a importância de se marcar o local da cirurgia e de o cirurgião confirmar informações com o paciente como o nome dele e o tipo de cirurgia a que será submetido. “Excesso de confiança da equipe de saúde é que leva a esses tipos de erros”, alertou o titular da Sespa. Portanto, conforme disse, “a segurança do paciente é um tema atual no mundo todo que merece atenção de todas as instituições hospitalares”. Ele desejou sucesso nessa nova etapa do projeto e melhoria na qualidade dos serviços prestados pelos hospitais participantes no Pará.

Luciana ressaltou a importância de haver integração entre os hospitais públicos para troca de experiências e de processos de trabalho bem sucedidos, para que cresçam juntos e fortaleçam a rede de serviços do Sistema Único de Saúde (SUS). “A segurança do paciente é muito ampla e tem que envolver toda a equipe”, observou a representante do Ministério da Saúde.

Luciana Yumi Ue: “há necessidade de ações também na área de educação”

Segundo ela, há necessidade de ações também na área de educação, como, por exemplo, alterações nas diretrizes curriculares dos cursos da área de Saúde, o que já está acontecendo no curso de medicina, com a inclusão de um conteúdo amplo sobre segurança do paciente. “Os processos de trabalho são feitos por pessoas, então cada uma tem que se perguntar antes “a minha decisão vai ser segura para o paciente”, disse Luciana.

A proposta é que os trabalhadores e educadores participem do desenvolvimento do Projeto Paciente Seguro. Os trabalhadores devem participar das atividades de educação permanente, desenvolver atitudes seguras; compreender seu espaço para a segurança, atuar com consciência dos riscos, cooperar com as atividades; não ter medo das inovações e ter compromisso com o resultado. Já os educadores devem se aproximar das atividades do projeto; promover atividades de inclusão dos estudantes nas temáticas; orientar e desenvolver atividades educativas e inovadoras na instituição em apoio ao projeto; não ter medo das inovações e também ter compromisso com o resultado.

Rosa Helena (Sespa) e Luciana Yumi Ue

As próximas etapas do Projeto Paciente Seguro no Pará incluem: assinatura do termo de compromisso no dia 9 de abril, 1ª Sessão de Aprendizagem Coletiva nos dia 10 e 11de abril, visitas trimestrais, atividades mensais, coaching permanente remoto, oficinas de trabalho regionais e finalização e apresentação de resultados em novembro de 2020. A meta é reduzir em 50% os danos aos pacientes. Para isso, o Projeto Paciente Seguro trabalha com diversos temas, ou seja, identificação do usuário, comunicação efetiva, cirurgia segura, higiene das mãos, segurança de medicamentos, quedas e lesão por pressão. E uma das estratégias principais do projeto é a educação de pacientes, familiares e acompanhantes.

Alessandra Quinto Bentes apresenta os resultados do projeto RHP no Hospital de Clínicas Gaspar Vianna

Durante a reunião, foi aberto espaço para os representantes da Fundação Hospital de Clínicas Gaspar Vianna, Hospital Ophir Loyola e Fundação Santa Casa relatarem, Alessandra Quinto Bentes, Alcione Nascimento e Nelma Machado respectivamente, apresentarem os resultados positivos da participação dessas instituições no Projeto de Reestruturação de Hospitais Públicos (RHP), desenvolvido pelo Ministério da Saúde em parceria com o Hospital Alemão Oswaldo Cruz (HAOC), também por meio do Proadi-SUS.

Texto: Roberta Vilanova

Fotos: José Pantoja

 

 

 

Você pode gostar...