Lacen-PA treina agentes para monitorar transmissores das leishmanioses

Agente observa melhor o inseto por meio do microscópio

A Divisão de Entomologia do Laboratório Central do Estado (Lacen-PA) tem treinado agentes de endemias das Secretarias Municipais de Saúde para o monitoramento de flebotomíneos, insetos transmissores das leishmanioses.

Conhecidos popularmente como mosquito palha, asa-dura, tatuquiras, birigui, entre outros nomes, os insetos fazem parte da fauna amazônica, portanto é fundamental que os municípios estejam preparados para agirem frente a esse agravo.

O objetivo é capacitar os agentes a realizarem, pelo menos, três das etapas que compõe o monitoramento, que são a captura, a triagem e o acondicionamento para envio das amostras para o Lacen-PA fazer a etapa final que é a identificação laboratorial para confirmação das espécies que estão circulando nos municípios. Os treinamentos acontecem conforme a demanda da Coordenação Estadual de Leishmaniose e, com apoio dos Centros Regionais de Saúde, são realizados nos municípios com maiores incidências de casos de Leishmaniose Visceral (LV), que se apresenta na forma sistêmica, bem como da forma cutânea a Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA).

Paoola Vieira bióloga entomologista coordenadora da Divisão de Entomologia do Lacen-PA

Para a bióloga entomologista Paoola Vieira, que é coordenadora da Divisão de Entomologia, assim é possível descentralizar esses serviços para os municípios, reduzindo a demanda da Divisão de Entomologia, cuja equipe está muito reduzida. “Para assumir esse serviço, o município precisa apenas de pessoas treinadas, armadilhas e de lupa entomológica”, observou a bióloga.

Em 2018 foram treinados 73 agentes de 28 municípios e dois Distritos Indígenas na abrangência do 10º, 11º e 12º Centros Regionais de Saúde, com sede nos municípios de Altamira, Marabá e Conceição do Araguaia respectivamente. Agora neste ano, já foram treinados mais nove agentes dos municípios de Abaetetuba, Barcarena, Igarapé-Miri e Tailândia, no 6º CRS. A maioria dos municípios encaminha entre dois a três agentes para participarem do treinamento.

Flebotomíneos, insetos transmissores da leishmaniose

Doença – A Leishmaniose Visceral é uma zoonose de evolução crônica, com acometimento sistêmico e, se não tratada, pode levar a óbito até 90% dos casos. É transmitida ao homem pela picada de fêmeas do inseto vetor infectado, denominado flebotomíneo. No Brasil, a principal espécie responsável pela transmissão é a Lutzomyia longipalpis.

Os principais sintomas da doença são: febre de longa duração; aumento do fígado e baço; perda de peso; fraqueza; redução da força muscular; anemia.

A transmissão acontece quando fêmeas picam cães ou outros animais infectados, e depois picam o homem, transmitindo o protozoário Leishmania chagasi, causador da Leishmaniose Visceral.

De acordo com a Coordenação Estadual de Leishmaniose, o Pará registrou 567 casos de leishmaniose visceral em 2018 e 28 casos nos dois primeiros meses deste ano.

Agentes têm aula teórica e prática sobre monitoramento de flebotomíneos

Metodologia – Com duração de cinco dias, o treinamento começa com aula teórica abordando biologia, morfologia geral e comportamento dos flebotomíneos. Já a parte prática abrange a captura dos insetos no campo com armadilhas específicas e a observação por meio de microscópio para conhece-los de perto. “O treinamento segue metodologia e carga horária específica do Ministério da Saúde, que define quantos dias são de teoria e de campo”, informou Paoola.

Uma das dificuldades apontadas por ela é a grande rotatividade de profissionais nas Secretarias Municipais de Saúde, por isso, o Lacen-PA dá prioridade em treinar efetivos, mas não deixa de treinar contatados, uma vez que o número de profissionais é muito reduzido.

Agente de endemias instala armadilha para capturar amostras de flebotomíneos

Além de realizar os treinamentos, o Lacen-PA doa aos municípios as armadilhas que vêm do Ministério da Saúde e são equipamentos relativamente caros para serem adquiridos diretamente pelas gestões municipais. Para isso, é assinado um termo de compromisso pelo município.

“O serviço de monitoramento tem que ser feito constantemente e não apenas quando há casos suspeitos da doença. Só assim, é possível fazer a prevenção da leishmaniose”, disse Paoola, lembrando, ainda, que diferentemente do Aedes aegypti, o flebotomíneo não põe seus ovos próximo da água e sim em locais úmidos, sombreados e ricos em matéria orgânica (folhas, frutos, fezes de animais e outros entulhos que favoreçam a umidade do solo) por isso a importante da limpeza de quintais e de abrigos de animais domésticos como chiqueiros e galinheiros como medida preventiva da doença.

Guarda de Endemias Dídimo Pimentel, um dos ministrantes do treinamento

Experiência – O guarda de endemias Dídimo Pimentel, que ministra o treinamento junto com a agente de endemias Andréa Amaral, contou um pouco da sua experiência como ministrante do treinamento. “Primeiramente, a gente se reúne com os gestores e depois com a turma que será treinada, para apresentar a metodologia. Para a parte prática, nós também levamos os microscópios e improvisamos um laboratório para a observação dos insetos capturados”, disse Dídimo.

Conforme o agente, “esse treinamento tem despertado bastante o interesse dos agentes porque é um serviço diferente das ações que eles costumam fazer, geralmente, mais relacionados ao controle do mosquito Aedes aegypti”.

Paoola informou, ainda, que já está havendo feedback positivo dos municípios que tiveram agentes treinados. Parauapebas, Marabá, São Domingos do Araguaia e Piçarra por exemplo, já estão fazendo a captura e triagem encaminhando amostras para o Lacen-PA identificar.

Treinamento abrange agentes de Abaetetuba, Barcarena, Igarapé-Miri e Tailândia

Avanço – O próximo passo da Divisão de Entomologia, segundo ela, é treinar o pessoal dos Centros Regionais de Saúde para fazerem a última etapa do processo que é a identificação, que, atualmente, só é feita pelo Lacen-PA porque exige um processo químico trabalhoso para deixar o inseto pronto para ser identificado. “Descentralizando essa parte do trabalho para as Regionais, nós ficaremos somente com o controle de qualidade”, informou Paoola. O primeiro treinamento já está agendado para o período de 13 a 24 de maio e será ministrado por técnicos da Fundação Oswaldo Cruz.

Texto: Roberta Vilanova

Fotos: Divisão de Entomologia/Lacen-PA

Você pode gostar...