Prioridade da Saúde Bucal é ampliar o acesso aos serviços

Escovação supervisionada é uma ação de caráter preventivo

A prioridade da Coordenação Estadual de Saúde Bucal, nos quatro anos de governo, é ampliar o acesso da população às ações preventivas, educativas e serviços especializados de Saúde Bucal, e garantir a qualidade do atendimento aos pacientes. A informação é da cirurgiã-dentista e coordenadora estadual de Saúde Bucal, Alessandra Amaral.

Para isso, segundo ela, é fundamental que sejam organizadas as “linhas do cuidado”, desde a criança, passando pelo adolescente, mulher grávida, adulto, até o idoso, com a criação de fluxos que impliquem ações resolutivas, centradas no acolher, informar, atender e encaminhar (referência e contrarreferência), permitindo que o usuário saiba sobre cada lugar que compõe a estrutura dos serviços do Estado.

Macromodelo para uso em ações educativas

A Coordenação Estadual pretende, ainda, montar estratégias, critérios de avaliação para incentivar os municípios a implementarem ações de saúde bucal. “Além de o governo do Estado doar os kits de higiene bucal com escova, creme e fio dental, fará a entrega de um macromodelo e macroescova para os municípios que mais realizarem e informarem as palestras educativas e preventivas, escovação supervisionada e aplicação tópica de flúor realizada”, explicou Alessandra.

Preocupada com a baixa cobertura de Saúde Bucal, que hoje tem um déficit de 44% de Equipe de Saúde Bucal (ESB) em relação à Equipe de Estratégia Saúde da Família (ESF), possuindo 1.601 Equipes de ESF e 893 de Saúde Bucal, Alessandra disse que a meta pactuada em 2019 será atingir 45% de cobertura de ESB no estado.

Alessandra Amaral, coordenadora estadual de Saúde Bucal

Sobre a estrutura de Saúde Bucal, ela informou que o Pará dispõe de 28 Unidades Odontológicas Móveis, 36 Centros de Especialidades Odontológicas (CEOs) sendo 30 municipais, quatro estaduais (três em Belém (UBS Pedreira, Uremia, URE Presidente Vargas e um em Santarém (URE Santarém)), dois federais (um na Faculdade de Odontologia da UFPA e um no Hospital Barros Barreto); e 63 Laboratórios Regionais de Prótese Dentária (LRPDs).

E que apesar de a Atenção Básica estar sob responsabilidade dos municípios e caber à Coordenação Estadual de Saúde Bucal monitorar os serviços de Saúde Bucal junto com os Centros Regionais de Saúde; assessorar e monitorar equipes de Saúde Bucal na Estratégia Saúde da Família; Unidades Odontológicas Móveis, Centros de Especialidades Odontológicas, Laboratórios Regionais de Prótese Dentária, a Sespa incentivará as gestões municipais com doações de consultórios odontológicos para municípios que mais avançarem em Políticas Públicas voltadas à Saúde Bucal; e investirá na implantação de CEOs, LRPDs e de ESB.

Ação educativa no aniversário do Ver-o-Peso no dia 27 de março (Foto: Agência Pará)

100 dias de governo – Alessandra também fez um balanço positivo dos primeiros 100 dias de trabalho no governo Helder Barbalho. “As ações e serviços realizados, nesse período, serviram, principalmente para conhecermos a realidade de saúde bucal no Pará e construirmos uma prática efetivamente resolutiva, com ações preventivas e educativas em diversos municípios”, disse a coordenadora. “Integramos e inserimos a Saúde Bucal em todos os Programas, Coordenações, eventos e ações”, acrescentou Alessandra.

Ela teve a oportunidade de realizar reuniões com os coordenadores municipais de Saúde Bucal, para escutar e debater sobre suas demandas, necessidades e dificuldades.  Inclusive, algumas necessidades já foram solucionadas. “Nessas ocasiões, também apresentamos novas propostas, mas principalmente, colocamo-nos à disposição para trabalharmos juntos em prol da população”.

Segundo Alessandra, será imprescindível, a presença constante da Coordenação Estadual em cada município, com a finalidade de maior aproximação, para conhecer as pessoas, suas condições de vida, seus hábitos, particularidades e, assim, poder tomar providências para resolver os seus problemas.

Reativação do serviço odontológico na Associação Paraense de Pessoas com Deficiência (APPD)

Ela conheceu todos os serviços odontológicos no âmbito do Estado, espaços físicos, equipamentos, profissionais e toda situação de reparos imediatos necessários para o atendimento digno da população. “Reativamos serviços importantíssimos, como por exemplo, o atendimento hospitalar, em nível de bloco cirúrgico de pacientes adultos com necessidades especiais no Hospital Ophir Loyola (HOL) e implantamos esse atendimento para crianças no Hospital de Clínicas Gaspar Vianna”, informou a coordenadora estadual. Também foi reativado o atendimento odontológico na Associação Paraense das Pessoas com Deficiência (APPD), disponibilizando três cirurgiões-dentistas e dois atendentes de Saúde Bucal do Estado.

Outra realização importante foi a implantação do Projeto “Saúde Bucal nos Eventos do Estádio Olímpico Edgar Proença”, com o objetivo de oferecer atendimento de emergência e urgência ao público que frequenta o estádio, durante todos os eventos realizados lá. O serviço conta com um cirurgião – dentista e uma Auxiliar de Saúde Bucal atuando juntamente com a equipe médica, equipe de enfermagem e equipe técnica.

Sespa entrega kits de higiene bucal nas ações de cidadania

Parcerias – Firmar parcerias com instituições de ensino superior, hospitais e organizações não governamentais também fazem parte das propostas da nova gestão da Coordenação Estadual de Saúde Bucal. Conforme Alessandra, a parceria com o HOL e com o Centro Universitário do Estado do Pará (Cesupa), por exemplo, visa, principalmente, à realização de ações de cidadania, disponibilizando exames clínicos por residentes de Odontologia, para o diagnóstico de câncer de boca; encaminhamento para o Cesupa quando detectada lesão para realização de biópsia e, caso necessário, todo acompanhamento e tratamento no HOL.

Foi firmada parceria, ainda, com a Operação Sorriso, uma ONG internacional que já realizou programas em dez estados brasileiros (Goiás, Minas Gerais, Santa Catarina, Paraná, Alagoas, Mato Grosso, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Pará e Ceará), tendo mudado a vida de mais de 2.700 crianças, adolescentes e adultos que tinham fissura labiopalatal. “São ações direcionadas às regiões carentes, as cirurgias são totalmente gratuitas e toda a equipe de profissionais é voluntária”, informou Alessandra.

Segundo Alessandra, em Santarém, a Operação Sorriso já recebe apoio da Prefeitura de Santarém, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, do Hospital e Maternidade Sagrada Família, da Casa da Criança, e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Craniomaxilofacial. “Agora, na próxima ação, no dia 5 de agosto de 2019, também contará com o apoio do governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Saúde e Coordenação Estadual de Saúde Bucal”, concluiu a coordenadora estadual.

Texto: Roberta Vilanova

Fotos:  Coordenação de Saúde Bucal/Sespa

Você pode gostar...