Ações da Sespa na praça Batista Campos alertaram para os males do fumo

Durante a ação, a população pode saber como e onde procurar tratamento no SUS para se livrar do cigarro

Alusivo ao Dia Mundial sem Tabaco, ocorrido em 31 de maio, a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), por meio do Centro de Referência em Abordagem e Tratamento ao Fumante (Cratf), realizou no sábado, na praça Batista Campos, em Belém, uma série de atividades para alertar a população sobre os males provocados pelo uso do cigarro e orientar sobre tratamentos que estão disponíveis pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

A médica pneumologista e coordenadora do Cratf, Fátima Amine Houat

Com apoio da Comissão de Prevenção às Drogas da Assembléia Legislativa do Pará (Alepa) e Unimed, a ação teve como tema “Cuide dos seus pulmões” e ofereceu serviços, como verificação de pressão arterial, testes rápidos de glicemia e PSA, além de sessões de alongamento e orientações para iniciar tratamento para deixar de fumar, por meio do teste de Fagerström, o qua auxilia a estimar o grau de dependência da nicotina. Animada, a manhã ainda contou com apresentações de grupos de carimbó, dança de salão e fit dance; a performance “A Matinta Encantada”, com Maria Borges, e a participação da Banda de Música do Corpo de Bombeiros Militar do Pará.

A médica pneumologista e coordenadora do Cratf, Fátima Amine Houat, lembra que o Dia Mundial sem Tabaco traz à tona o alerta à população sobre os malefícios provocados pelo tabaco, sobretudo os de origem ilegal, falsificados ou contrabandeados. Segundo ela, mais de 4.000 compostos químicos (muitos deles tóxicos), incluindo a nicotina, o monóxido de carbono, a acroleína e outros oxidantes: essa é a composição da fumaça de cigarro, cuja exposição constante induz a múltiplos efeitos patológicos no organismo, causados pelo estresse oxidativo das células. “O tabagismo é considerado a principal causa de morte evitável do mundo e que suas consequências repercutem negativamente em órgãos vitais do ser  humano, como pulmão, coração e cérebro”, explica Fátima.

Informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) dão conta de que 14,7% da população brasileira é fumante, porém este número está em queda devido a vários fatores, como a lei antifumo e os programas de apoio às pessoas que desejam parar com o hábito. O hábito também repercute nos dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) em relação ao câncer de pulmão, cuja incidência cresce 2% ao ano e, em 90% dos casos, está associado ao consumo de derivados do tabaco.

Durante a ação, foi disponibilizado o teste de PSA, para prevenção de câncer de próstata.

Dados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus), revelam que só em 2017, morreram no Pará 563 pessoas que desenvolveram câncer na traqueia, brônquios e pulmões, equivalmente a 58 casos a mais dos óbitos ocorridos em 2016. No ano passado, o número de internações de pacientes com esses três tipos de neoplasias malignas chegou a 205 – das quais 142 só em Belém – e, nos três primeiros meses de 2019, a 64 internações.

Segundo a mais recente pesquisa realizada em capitais brasileiras pela Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), do Ministério da Saúde, o índice de fumantes em Belém, por exemplo, diminuiu. O percentual, que era de 7,6% em 2017, desceu para 4,9%  no ano passado – num universo de 2.000 pessoas entrevistadas, sendo 706 homens e 1.294 mulheres. Trata-se da quarta capital onde se menos fuma no país. Por outro lado, as cidades com mais fumantes ainda são Rio de Janeiro e São Paulo.

Como tratar

 

Equipe do Centro de Referência em Abordagem e Tratamento ao Fumante (Cratf) da Sespa.  Fotos de José Pantoja (Ascom/Sespa).

As pessoas interessadas em parar de fumar no Pará devem procurar informações na unidade de saúde mais perto de sua casa. O Programa de Controle ao Tabagismo funciona em 80 municípios do Estado com profissionais habilitados para conduzir o tratamento.

Em Belém a Sespa mantém o Centro de Referência em Abordagem e Tratamento ao Fumante, disponível para a população no térreo da Unidade de Referência Especializada (URE), situada na avenida Presidente Vargas com Osvaldo Cruz. No interior do Estado, o serviço funciona a partir da iniciativa de cada Secretaria Municipal de Saúde.

A Sespa oferece um tratamento gratuito à pessoa que quer parar de fumar, atendendo cerca de 45 novos dependentes por mês. Em 16 anos, já foram atendidas mais de sete mil pessoas e outros cerca de cinco mil estão com matrícula ativa no serviço.

O procedimento inicia com os exames que vão identificar o quadro clínico e de tabagismo do paciente, segue com a sua admissão em um grupo com outros dependentes para uma abordagem cognitiva comportamental, que busca entender o porquê de ele se tornar fumante e os motivos pelos quais ele quer parar. Avaliados os níveis de dependência, eles podem ser tratados com medicamentos receitados ou com o TRN, a Terapia de Reposição de Nicotina.

Serviço: O Centro de Referência em Abordagem e Tratamento ao Fumante da Sespa funciona na URE da avenida Presidente Vargas, 512, esquina com a praça da República. Telefone para informações: (91) 3242-5645.

Você pode gostar...