Sespa garante diálogo na busca de ações para tratamento da hanseníase no Pará

O aperfeiçoamento das ações de prevenção, diagnóstico e tratamento da hanseníase no Pará foi pauta de uma reunião ocorrida na manhã da última terça-feira, (28), entre a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), representantes da The Nippon Foundation e da Sasakawa Memorial Health Foundation, do Japão, e do Ministério da Saúde (MS). Na ocasião, reuniões entre os secretários municipais de saúde e área técnica dos municípios de Belém e Marabá encerraram as tratativas sobre o tema.

O secretário de Estado de Saúde, Alberto Beltrame, lembrou que o trabalho conjunto entre os órgãos envolvidos vai acelerar o fluxo de ações pelo diagnóstico precoce da hanseníase no Pará.

No decorrer do encontro, o secretário de Estado de Saúde, Alberto Beltrame, lembrou que o trabalho conjunto entre os órgãos envolvidos vai acelerar o fluxo de ações pelo diagnóstico precoce da hanseníase no Pará, que atualmente ocupa o quarto lugar em incidência da doença no país, com uma média de 27,70 casos por cada 100 mil habitantes notificados em 2018, ficando atrás dos Estados do Maranhão, Mato Grosso e Tocantins. “Com essas informações, vamos apontar quais municípios podem melhorar o desempenho na busca ativa, a fim de melhorar a eficácia do tratamento e, consequentemente, a cura”, destacou o titular da Sespa.

As iniciativas da Sespa na busca e diagnóstico da doença foram apresentados à comitiva da The Nippon Foundation, instituição de origem japonesa engajada na erradicação da hanseníase em vários países no mundo. No Brasil, essa atuação tem se destacado desde 1981 com a aquisição de medicação e, a partir de 2005, por meio de apoio exclusivo à distribuição de medicamentos a pacientes em tratamento.

O diretor executivo da The Nippon Foundation, Takahiro Nanri, e dos assessores técnicos para o Brasil e Índia, Masohiro Hitaka e Kiyomi Takahashi, anunciaram na ocasião que a visita ao Pará antecipa a vinda, prevista para o início de julho deste ano, do embaixador da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a Eliminação da Hanseníase e atual presidente do Conselho de The Nippon Foundation (Japão), Yohei Sasakawa. A agenda deve incluir encontros com representantes do governo estadual e membros do legislativo paraense.

Fotos de José Pantoja (Ascom/Sespa)

Entre os projetos discutidos em torno da visita do embaixador, o titular da Sespa, Alberto Beltrame, propôs que fosse incluído o município de Santarém em um plano de cooperação no Pará, que já está em execução em Belém e Marabá desde 2015, por meio do projeto “Abordagens Inovadoras para intensificar esforços para um Brasil livre da Hanseníase”. A proposta é que se crie um modelo de ação que possa ser multiplicado em nível nacional.

O encontro foi mediado pelo coordenador estadual do Programa de Controle da Hanseníase, Bruno Pinheiro, e pela assistente social da equipe, Arlene Soares. Também participaram o diretor de Vigilância em Saúde da Sespa, Amiraldo Pinheiro; o diretor do Departamento de Atenção à Saúde (Dase) da Sespa, Luiz Augusto Oliveira; o representante do Movimento de Reintegração das Pessoas atingidas pela Hanseníase (Morhan), Faustino Pinto; a representante da área técnica da Coordenação Nacional do Programa de Controle da Hanseníase, Magda Levantezi; do DCCI, Fabio Sartori; e da Assessoria de Assuntos Internacionais, Mariana Darvenne.

Você pode gostar...