Sespa participa de ação do TerPaz no bairro do Benguí

Serviço de triagem antes da consulta e serviços

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), participou neste sábado (14), na Escola Estadual de Ensino Fundamental Marilda Nunes, do início do Programa Territórios pela Paz (Ter Paz) no bairro do Benguí, levando diversos serviços de saúde para a comunidade.

Além de aferição de pressão arterial, exame de glicemia capilar, testes rápidos de HIV, Hepatite B e C e Sífilis, avaliação nutricional e atividades educativas na área de Saúde Bucal, a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) disponibilizou uma unidade móvel com três médicos para consultas em Pediatria, Ginecologia e Clínica Médica.

Francisca Lopes, costureira de 70 anos, tem pressão arterial aferida antes da consulta médica

A costureira Francisca Rodrigues Lopes, de 70 anos, ficou feliz por conseguir uma consulta em Clínica Médica na manhã deste sábado, pois enfrenta dificuldade para marcar consulta no posto de saúde. “Eu estou com consulta marcada desde o final de agosto para 16 de outubro com clínico. Adoeci, então Deus mandou agora essa consulta. Quem dera que tivesse ao menos duas vezes por ano uma ação dessas”, comemorou Francisca.

Kátia Nascimento, de 29 anos, que está sem emprego, ficou satisfeita em poder se consultar com ginecologista. Ela também disse que não consegue marcar consulta no posto de saúde porque são distribuídas poucas fichas diariamente. “Estou há três semanas tentando pegar ficha e não consigo. Me falaram aqui desta ação, eu vim e foi bom”, disse Kátia.

O mototaxista Raimundo Benjamim fez avaliação nutricional, tirou seu cartão do SUS e iria buscar aproveitar todos os serviços que fossem possíveis, porque o TerPaz é uma ótima oportunidade para ter acesso a serviços que ele não tem facilidade de ter no dia a dia. “Eu estou achando muito bom”, afirmou Benjamim.

Acadêmicos de odontologia usam escovódromo para ensinar as crianças a escovarem os dentes corretamente

Parceria – Na área de Saúde Bucal, a novidade foi a parceria com o Curso de Odontologia da Escola Superior da Amazônia (Esamaz), que viabilizou participação dos alunos de Odontologia na realização das atividades educativas.

Com o uso de um modelo de arcada dentária, as crianças aprenderam sobre a forma correta de escovar os dentes, a usar o fio dental e que devem fazer  isso todos os dias, principalmente, após as refeições.

Depois da palestra, as crianças receberam um kit de higiene bucal e foram para o escovódromo aprender na prática, com orientação dos futuros dentistas, como escovar os dentes corretamente

 

Larissa Martel, docente de Odontologia da Esamaz

A docente de Odontologia e responsável pelos alunos, Larissa Martel, considera importante levar os alunos para conhecerem a realidade das regiões mais periféricas, principalmente, porque muitos deles vão atuar em Saúde Pública quando saírem da Faculdade. “Vão trabalhar em postos de saúde da capital e de outros municípios, e nesse tipo de ação, eles conhecem a realidade da população e aprendem como interagir de forma mais humanizada e calorosa com crianças, adultos e idosos.  A gente aproxima o aluno da realidade que ele vai encontrar fora da faculdade”, disse a cirurgiã-dentista.

Para a acadêmica de Odontologia, Beatriz Alves, de 21 anos, “participar da ação é uma forma de a gente repassar todo o nosso aprendizado e demonstrar mais humanidade e compaixão ao próximo.

Alessandra Amaral, representante da Sespa na Câmara Técnica do TerPaz

A cirurgiã-dentista e representante da Sespa na Câmara Técnica do Ter Paz, Alessandra Amaral, fez um balanço positivo de todo o trabalho que vem sendo realizado nos bairros desde a primeira atividade no bairro da Cabanagem. “Nós já tivemos mais de 12 mil atendimentos entre consultas médicas, exames, orientações de saúde bucal entre outros procedimentos. Estamos avaliando no momento, que realmente é o que a gente esperava e propôs para o projeto na Câmara Técnica”, disse Alessandra.

Ela ressaltou, no entanto, que para realizar tudo isso é fundamental a disposição dos técnicos de todas as áreas da Sespa, em especial do 1º Centro Regional de Saúde, e participação de instituições parceiras como a Esamaz, inserindo alunos de Odontologia nesse trabalho importante para melhorar a saúde da população e contribuir para reduzir a violência no Pará. “Temos 12 universidades aí para a gente conversar e articular para nunca faltar esse atendimento nos bairros”, afirmou a cirurgiã-dentista.

Outra parceria importante, segundo Alesandra, é com o Centro Universitário do Pará (Cesupa), que além de disponibilizar equipes de residentes de cirurgiões bucomaxilofaciais para fazer o atendimento odontológico, garante suporte em casos suspeitos de câncer bucal, incluindo biopsia para confirmação e encaminhamento para o Hospital Ophir Loyola (HOL), onde atuam os docentes dos dentistas residentes.

Texto: Roberta Vilanova

Fotos: José Pantoja

 

Você pode gostar...