Sespa realiza primeiro evento da Campanha Novembro Azul

Sâmia Borges, diretora do DPAIS faz a abertura do Seminário

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) realizou na tarde desta terça-feira (12), no auditório da Secretaria de Estado de Administração, o Seminário de Saúde do Homem, alusivo à Campanha Novembro Azul, que tem como tema “Tempo é vida, cuide da sua saúde, a hora é agora”. O evento reuniu profissionais e estudantes de diversas áreas.

Na abertura, a diretora de Políticas de Atenção Integral à Saúde, Sâmia Borges, disse que era gratificante estar trabalhando o Novembro Azul, que tem foco na saúde do homem. Ela disse que o homem é tido como o forte e por causa disso, muitas vezes, quando procura o serviço de saúde já está com a doença instalada e pouco pode ser feito.

Por isso, segundo Sâmia Borges, alguns serviços de saúde já estão com uma carga horária de trabalho ampliada para atender aos homens. É o Programa Saúde na Hora, que já está funcionando em Bragança e Capanema, oferecendo atendimento das 8h às 22h.  “Estamos trabalhando para expandir o Programa para todos os municípios paraenses para que não só homens, mas mulheres, crianças, adolescentes e idosos, possam ter acesso aos serviços de saúde de forma integral e igualitária”, explicou a diretora.

Ricardo Tuma, médico urologista do Hopsital Ophir Loyola

Doenças da próstata – O primeiro palestrante foi o médico urologista do Hospital Ophir Loyola (HOL), Ricardo Tuma, que falou não apenas de câncer de próstata, mas das principais doenças que podem afetar a glândula masculina. Ele ressaltou a necessidade de o homem se cuidar melhor. “Hoje, as mulheres vivem oito anos mais que os homens e há muito mais viúvas do que viúvos. Portanto, o homem não deve se cuidar só no mês de novembro e sim o ano todo”, enfatizou Tuma.

Ele disse que é fundamental um diagnóstico correto por meio de exames como ultrassonografia, toque retal e PSA, que é um exame específico da próstata. “Nem sempre a próstata aumentada é sinal de câncer, mas, por meio do toque retal é possível sentir e suspeitar se o tumor é ou não câncer”, explicou o especialista.

Segundo ele, as mulheres têm mais disciplina de ir ao médico sem estarem doentes e que está na hora de os homens seguirem esse exemplo porque câncer é uma doença silenciosa. “O objetivo dos exames é fazer o rastreamento para o diagnóstico precoce”, informou, ressaltando que nove em cada dez casos são curáveis. Tuma também falou sobre sinais, sintomas da hiperplasia prostática, prostatite e disfunções sexuais.

Rahilda Tuma, coordenadora estadual de Nutrição da Sespa

Alimentação saudável – a coordenadora de Nutrição da Sespa, Rahilda Tuma, falou sobre a “Nutrição na Prevenção das Doenças Crônicas Não-Transmissíveis”, mostrando que ainda é possível manter uma alimentação saudável. “A alimentação saudável precisa estar atrelada à prática de atividade física para evitar o sobrepeso e obesidade. Então, cuidar da saúde também é coisa de homem”, disse a gestora da Sespa.

Ela disse que não existe nenhum país no mundo que conseguiu reduzir o percentual de obesidade e que a população brasileira está obesa ou acima do peso porque seguiu os costumes da população americana. “Só que os americanos levaram 120 anos para ter população obesa enquanto o Brasil apenas 25 anos, porque teve acesso aos produtos americanos já prontos”, explicou Rahilda. Por isso, que a meta da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde é manter o sobrepeso em 50% e conter o sobrepeso em crianças e adolescentes.

Para se ter uma ideia da situação, Rahilda informou que em Belém, em 2018, segundo pesquisa do Vigitel, 63% dos homens adultos estavam com excesso de peso e 21% com obesidade, assim como 53% e 20,7% das mulheres respectivamente.

Numa maneira bem didática, ela comparou o estilo de vida atual com o do passado em que se gastava muito mais calorias para fazer as atividades, enquanto hoje está tudo muito fácil como uso de controles remotos e acesso a produtos industrializados que só fazem mal à saúde. Como ela citou que uma pipoca do cinema tem hoje 800 calorias, que os copos, pratos e talheres estão muito maiores.  E isso tudo são fatores de risco para a obesidade e é preciso estar atento aos ingredientes invisíveis que estão nos produtos industrializados.

Para ajudar na escolha dos produtos ela indicou o uso do aplicativo “Rotulando”, que lê rótulo e revela tudo o que cada produto tem. E se o consumidor pegar um produto não cadastrado, pode enviar a foto do alimento e do rótulo para ele ser cadastrado. Indicou, ainda o aplicativo “Armazém da Saúde” que, com uso de jogos e desafios ajuda a pessoa a levar uma vida mais saudável. “O papel da Sespa é disseminar informações e orientações de forma mais atual para alcançar a população”, disse a nutricionista. E garantiu, por fim, que “comer bem não é mais caro do que comer porcaria”.

Helio Franco, médico da Sespa

Trânsito – O último palestrante foi o médico Helio Franco, ex-secretário de Estado de Saúde Pública, que falou sobre “O Homem no Trânsito”, levando números preocupantes sobre acidentes de trânsito que fazem milhares de vítimas anualmente, sendo a maioria homens. “No ano passado, 40 mil pessoas morreram vítimas de acidente de trânsito, que, no Pará, mata mais gente do que as 18 endemias existentes. Só em Belém, de 2014 a 2017, 500 pessoas morreram vítimas desse tipo de acidente ”, informou ele.

Para Helio Franco, o trânsito não é um problema apenas do poder público. “É um problema de cada um de nós, todos nós temos que ter responsabilidade e evitar tragédias e a única maneira de reverter essa situação é realizar um trabalho educativo envolvendo escolas e comunidade em geral”, afirmou o médico.

Texto: Roberta Vilanova

Fotos: Ricardo Amanajás/Secom

 

Você pode gostar...