Policlínica em Belém registra queda de 24% no número de atendimentos

É menor a cada semana o número de pessoas atendidas na Policlínica Metropolitana em Belém, destinada a pacientes com suspeita de Covid-19 que apresentam sintomas leves e moderados. Caiu em 24% o número de procedimentos da última semana (1 a 7 de junho), com relação aos dados da semana anterior (25 a 31 de maio).

O coordenador de Contingência da Policlínica Metropolitana, Sipriano Ferraz, diz que o atendimento no estágio inicial é um dos motivos da queda. “A estratégia deu certo. Acertamos em tratar o paciente no início dos sintomas. O médico ouve, entende a história clínica, ausculta o pulmão e, quando necessário, solicita a tomografia de tórax e prescreve os medicamentos, que estão disponíveis nas nossas farmácias”.

De 1 a 7 junho, foram 3.398 atendimentos, média de 485 pessoas por dia. Isso representa redução de 1.081 atendimentos. No período de 25 a 31 de maio, foram registrados 4.479 atendimentos, média de 639 pessoas atendidas diariamente. Desde o dia 22 de maio, a Policlínica não ultrapassa a marca de mil atendimentos por dia.

A Poli Metropolitana funciona todos os dias, das 7h às 19h, e conta com consultórios equipados e equipe multiprofissional.  Desde o dia 21 de abril, mudou o perfil e passou atender somente casos de baixa e média complexidade, suspeitos de Covid-19, avaliados por equipe médica. Quando necessário, os pacientes são encaminhados para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e Hospital de Campanha do Hangar.

A Policlínica faz exames laboratoriais e de imagem, o que ajuda a desafogar o atendimento de unidades municipais de saúde e da rede privada na Região Metropolitana de Belém, além de permitir o tratamento precoce da doença, reduzindo o agravamento de quadros de pacientes com sintomas leves e moderados.

“Não teremos repique no mês de junho. Acreditamos que em julho a nossa rotina vai estar mais próxima da normalidade, e vamos, juntos, conseguir vencer o vírus”, afirma Sipriano Ferraz.

Texto: Secom

Foto: Marcelo Seabra/Ag. Pará

Você pode gostar...