Entrega de hospitais e aumento do número de recuperados muda sistema de bandeiramento

O Pará registra, nesta sexta-feira (31), 154.685 casos confirmados da Covid-19, 14.210 casos descartados, 152 em análise, 139.599 recuperados e 5.728 óbitos, que representa uma letalidade de 3,70%. De acordo com o Secretário da Sespa, Delegado Romulo Rodovalho, em relação aos leitos específicos para a Covid-19, o Estado apresenta uma taxa de ocupação na faixa de 28,95% e 47,39% dos leitos de UTI adulto.

“Esses números significam que nós ofertamos 1.347 leitos clínicos adultos específicos para a doença no Estado e contamos com 957 leitos disponíveis para a população. Isso nos dá a segurança que o sistema público de saúde estadual tem condições de atender a população. O mesmo ocorre com os leitos de UTI, de um total de 595 leitos, contamos com 313 disponíveis”, assegura o Governador.

“Mesmo com a redução de leitos de UTI exclusivos para a Covid-19, de 722 para 595, por conta da necessidade de retomar as atividades regulares de unidades de saúdes com outro perfil, nós estamos com o percentual de ocupação com menos de 50%”, complementa. Os 127 leitos de UTI reforçam a estrutura de saúde do Estado e atendem pacientes com outras enfermidades.

CASOS ATIVOS – No período de 15 a 29 de julho, foram registrados 22.616 recuperados e 9.278 casos ativos. “Estamos numa crescente no número de casos recuperados. Nessa última quinzena, a quantidade de casos recuperados se distancia ainda mais dos casos ativos”, ressalta o governador.

BANDEIRAMENTO – Segundo  o coordenador do Programa Retoma Pará, Adler Silveira, o estabelecimento das cores do bandeiramento para cada região de regulação do Estado, leva em consideração a convergência de dados em relação à taxa de contaminação e a capacidade do sistema de saúde.

“Na região do Araguaia, que tínhamos risco alto, após a inauguração do Hospital Regional, quando entregamos 48 leitos, sendo 12 leitos de UTI à população, de acordo com os critérios de bandeiramento, o risco se tornou médio. No Marajó Ocidental e regiões Nordeste e do Carajás, de acordo com a pesquisa epidemiológica, que nos trouxe uma imunidade acima de 20% nessas regiões, também estão no bandeiramento amarelo, com risco intermediário. E as demais regiões, seguem com o bandeiramento laranja”, informa. Essas sinalizações são sugestões do Estado para que os municípios possam tomar as suas decisões.

“Nas últimas semanas, a Região do Tapajós estava no risco vermelho. Nós inauguramos um hospital em Itaituba, viemos do risco alto para médio. Região do Xingu também estava vermelho, entregamos o Hospital de Campanha em Altamira. Reforçamos a saúde e seguimos avançando no bandeiramento”, complementa o Governador.

O governador alerta que os avanços não podem representar uma mensagem de normalidade. “As pessoas não podem pensar que vivemos um libera geral. O Governo orienta, mas cada cidadão é dono dos seus atos. Orientamos, sugerimos, recomendamos, mas cada um age conforme a sua consciência. Precisamos evitar exposição desnecessária e cumprir as medidas de prevenção e protocolos de segurança”, alerta.

 

 

RETOMA PARÁ

O Pará registra, nesta sexta-feira (31), 154.685 casos confirmados da Covid-19, 14.210 casos descartados, 152 em análise. 139.599 recuperados e 5.728 óbitos, que representa uma letalidade de 3,70%. De acordo com o Secretário da Sespa, Delegado Romulo Rodovalho, em relação aos leitos específicos para o Covid-19, o Estado apresenta uma taxa de ocupação de leitos clínicos adultos na faixa de 28,95% e 47,39% dos leitos de UTI adulto.

“Esses números significam que nós ofertamos 1.347 leitos clínicos adultos específicos para a doença no Estado e contamos com 957 leitos disponíveis para a população. Isso nos dá a segurança que o sistema público de saúde estadual tem condições de atender a população. O mesmo ocorre com os leitos de UTI, de um total de 595 leitos, contamos com 313 disponíveis”, assegura o Governador.

“Mesmo com a redução de leitos de UTI exclusivos para a Covid-19, de 722 para 595, por conta da necessidade de retomar as atividades regulares de unidades de saúdes com outro perfil, nós estamos com o percentual de ocupação com menos de 50%”, complementa. Os 127 leitos de UTI reforçam a estrutura de saúde do Estado e atendem pacientes com outras enfermidades.

CASOS ATIVOS – No período de 15 a 29 de julho, foram registrados 22.616 recuperados e 9.278 casos ativos. “Estamos numa crescente no número de casos recuperados. Nessa última quinzena, a quantidade de casos recuperados se distancia ainda mais dos casos ativos”, ressalta o governador.

BANDEIRAMENTO – Segundo  o coordenador do Programa Retoma Pará, Adler Silveira, o estabelecimento das cores do bandeiramento para cada região de regulação do Estado, leva em consideração a convergência de dados em relação à taxa de contaminação e a capacidade do sistema de saúde.

“Na região do Araguaia, que tínhamos risco alto, após a inauguração do Hospital Regional, quando entregamos 48 leitos, sendo 12 leitos de UTI à população, de acordo com os critérios de bandeiramento, o risco se tornou médio. No Marajó Ocidental e regiões Nordeste e do Carajás, de acordo com a pesquisa epidemiológica, que nos trouxe uma imunidade acima de 20% nessas regiões, também estão no bandeiramento amarelo, com risco intermediário. E as demais regiões, seguem com o bandeiramento laranja”, informa. Essas sinalizações são sugestões do Estado para que os municípios possam tomar as suas decisões.

“Nas últimas semanas, a Região do Tapajós estava no risco vermelho. Nós inauguramos um hospital em Itaituba, viemos do risco alto para médio. Região do Xingu também estava vermelho, entregamos o Hospital de Campanha em Altamira. Reforçamos a saúde e seguimos avançando no bandeiramento”, complementa o Governador.

O Governador alerta que os avanços não podem representar uma mensagem de normalidade. “As pessoas não podem pensar que vivemos um libera geral. O Governo orienta, mas cada cidadão é dono dos seus atos. Orientamos, sugerimos, recomendamos, mas cada um age conforme a sua consciência. Precisamos evitar exposição desnecessária e cumprir as medidas de prevenção e protocolos de segurança”, alerta.

SEGURANÇA

Segundo o Secretário de Segurança Pública, Ualame Machado, o Estado finaliza o mês de julho com a redução de 35% das taxas de criminalidade. “Podemos considerar o melhor mês dos últimos anos, levando em consideração os índices alcançados”, afirma.  A operação Verão 2020, com o slogan “Saúde, segurança e responsabilidade”, que começou dia 26 de junho, finaliza na próxima segunda-feira (3). A ação foi realizada de forma integrada entre os órgãos de segurança pública e englobou 40 localidades. Nesse ano, além da redução da violência, a fiscalização para garantir a saúde e a diminuição de transmissão da Covid-19 também foi prioridade da operação, por conta da pandemia.

Segundo o Secretário de Segurança Pública, Ualame Machado, o Estado finaliza o mês de julho com a redução de 35% das taxas de criminalidade. “Podemos considerar o melhor mês dos últimos anos, levando em consideração os índices alcançados”, afirma.

A operação Verão 2020, com o slogan “Saúde, segurança e responsabilidade”, que começou dia 26 de junho, finaliza na próxima segunda-feira (3). A ação acontece de forma integrada entre os órgãos de segurança pública e engloba 40 localidades. Nesse ano, além da redução da violência, a fiscalização para garantir a saúde e a diminuição de transmissão da Covid-19 também foi prioridade da operação, por conta da pandemia.

Texto: Giovanna Abreu/Secom

Foto: Alex Ribeiro/Ag. Pará

Você pode gostar...