Unidade da Sespa realiza ação de prevenção às ISTs/Aids

Profissionais da Unidade de Acolhimento Temporário (UAT) da Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa) realizaram nesta terça-feira (18), em Belém, uma ação de prevenção a todas as infecções transmitidas por contato sexual. O momento foi alusivo ao período de carnaval e a abordagem teve como objetivo ampliar o acesso às informações sobre as consequências trazidas pelas ISTs, para que as pessoas possam tomar decisões mais assertivas na condução de uma prática sexual protegida.

A UAT atende em média 75 pacientes por mês que convivem com HIV/Aids e necessitam de internação temporária a partir de encaminhamento feito por médicos da Unidade de Referencia Especializada em Doenças Infecciosas e Parasitárias Especiais (Uredipe), também da Sespa.

O serviço funciona durante 24 horas ao dia e conta com 20 leitos de internação temporária, sendo oito para homens, oito para mulheres e quatro pediátricos, além de mais um leito para pacientes cadeirantes de ambos os sexos. A equipe multidisciplinar é composta por enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais, nutricionistas e terapeutas ocupacionais, além do apoio administrativo.

A programação da UAT incluiu abordagem e entrega de preservativos masculinos e femininos nas proximidades da sede da Unidade, além de testagens gratuitas para HIV, sífilis e hepatites virais, com aconselhamento e referência para tratamento, caso necessário. Integrantes do grupo de Humanização da Fundação Santa Casa de Misericórdia e voluntários da Cruz Vermelha distribuíram folders educativos.

“Em 17 anos de funcionamento é a segunda vez consecutiva que fazemos esse tipo de ação associada ao carnaval. É uma forma de colaborarmos nessa corrente em favor da prevenção feita pela Sespa, justamente para evitar que mais casos ocorram, já que acolhemos pessoas que estão com sintomas da Aids manifestados e em estado bastante delicado. A maioria é oriunda no interior do Estado e muitas vezes a família não consegue permanecer em Belém com o paciente e ele fica conosco, contando com nossa atenção a saúde até ser estabilizado”, explica a assistente social e diretora da UAT, Adenilsa Conceição.

Segundo a diretora, em geral as pessoas são receptivas, mas os pedestres absorvem melhor as abordagens e são convencidos a fazer os testes. O vendedor de lanches A. L, de 51 anos, se sentiu aliviado após ter o receber o resultado negativo para HIV. “Tava passando e entrei pra fazer o teste. Dá um medo nessa hora porque avaliei algumas coisas que fiz na vida, mas estou melhor agora. Como dizem por aí, é vida que segue”, destacou.

Por outro lado, o estudante universitário Augusto Botelho não entrou na UAT pra fazer o teste porque tinha compromisso já agendado, mas achou importante a mensagem deixada pela abordagem. “Abrir mão do uso do preservativo nas relações sexuais pode expor a pessoa e com quem ela se relaciona a infecções sexualmente transmissíveis. É uma campanha pelo bem de si e do outro”, avalia.

Durante a ação, 100 testes rápidos foram realizados. Um caso de hepatite C e outro de sífilis foram detectados. Integraram a programação a palestra com o tema “Vivendo com Aids”, com Jucélia Flexa; a apresentação do vídeo “Qualidade de vida para pessoas vivendo com HIV/Aids”, feito pela terapeuta ocupacional Fernanda Silva.

Serviço:

A Unidade de Acolhimento Temporário (UAT) fica na Av. Generalíssimo Deodoro, 536, entre Antônio Barreto e Domingos Marreiros. Telefone: 3225-2320.

*Fotos de José Pantoja (Ascom/Sespa).

Você pode gostar...