Sespa realiza capacitação para tratamento clínico de leptospirose

Fotos: Ascom/Sespa

A coordenação estadual de Zoonoses da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) realizou hoje (10), uma capacitação de “Diagnóstico e Tratamento Clínico de Leptospirose”, ministrada pelo Ministério da Saúde, na Escola de Magistratura do Tribunal de Justiça do Estado. Cerca de 30 médicos e enfermeiros da assistência médico hospitalar e atenção básica da Região Metropolitana de Belém participaram do evento.

As palestras foram realizadas pela médica veterinária, responsável pela vigilância de zoonoses do Ministério da Saúde, Simone Valéria Pereira e pelo médico infectologista do Ministério da Saúde, Dalcy Albuquerque, responsável pelo curso.

“O objetivo do curso é capacitar os profissionais de saúde dessa região, onde há um maior número de notificações diagnósticas de leptospirose, e otimizar o atendimento ao paciente, visando realizar um diagnóstico precoce das doenças, principalmente relacionadas aos aspectos epidemiológicos relevantes, como fatores ambientais, alagamentos, contaminações hídricas e dos alimentos”, explicou Fernando Esteves, médico veterinário e coordenador estadual de Zoonoses.

Fotos: Ascom/Sespa

“Esse é o primeiro treinamento de diagnóstico clínico da leptospirose pra médicos e enfermeiros da região. Assuntos envolvendo a leptospirose como caráter epidêmico e endêmico foram debatidos durante a capacitação”, disse Zilda Pinto, coordenadora estadual de Leptospirose.

“O treinamento foi planejado pelo Ministério da Saúde, para as unidades de atendimento, e vem aumentar a sensibilidade dos médicos e enfermeiros que estão atendendo na ponta, fazendo com que vejam os casos e reconheçam quando houver a possibilidade de ser leptospirose. Com esse diagnóstico precoce, aumenta as chances do paciente”, disse Dalcyr Albuquerque.

“O Ministério da Saúde elencou alguns municípios prioritários para leptospirose no Brasil. Como resultado, os estados que recebem a capacitação terão menos gravidade e letalidade da doença”, acrescentou Simone Pereira.

Dados – A Sespa informa que em todo o Estado, só em 2017 (até junho), foram 28 casos confirmados por critério laboratorial, dos quais 26 só em Belém, com quatro óbitos. São dados atualizados até junho deste ano. No ano passado, no Estado, foram 68 casos confirmados por critério laboratorial, com 12 mortes. Em 2015, foram 78 casos confirmados por laboratório, com 26 mortes.

 

 

Você pode gostar...