Após acidente em embarcação, paciente vindo de Chaves recebe alta no Hospital Metropolitano

Após acidente em embarcação, paciente vindo de Chaves recebe alta no Hospital Metropolitano

27 de outubro de 2021 Off Por Roberta Vilanova

Paciente Amiraldo Silva

Mais um paciente vítima da explosão em uma embarcação ocorrida no dia 8 deste mês, em Chaves, no Marajó, recebeu alta do Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), em Ananindeua, Região Metropolitana de Belém. Amiraldo da Silva Melo, de 38 anos, chegou ao hospital em 9 de outubro e deixou a unidade hospitalar na manhã desta quarta-feira, 27.

“Eu lembro de tudo, do momento do acidente até a entrada no hospital. O atendimento aqui foi ímpar, fizeram por mim o que, muitas vezes, nossos familiares não fazem. A minha maior felicidade é poder retornar para a minha casa e rever o meu filho de quatro anos”, diz ele.

Para dar novo sentido ao que poderia ser um episódio de tristeza, Amiraldo montou uma estratégia para falar sobre o acidente para o filho. “Já estou pensando em como explicar isso para ele, direi que sou um super-herói que entrou em um combate. Não quero que ele tenha trauma por conta disso e nem saiba que eu poderia ter morrido nesse acidente”, completa.

As lágrimas nos olhos de Severiana Rocha, 39, esposa de Amiraldo da Silva, entregam a felicidade sentida no retorno para casa. “O choro é de felicidade. Foi um grande susto, eu cheguei a ficar desesperada e sem saber o que fazer. Aqui ele encontrou tratamento e agora retornaremos para a nossa casa, com os nossos filhos”, comemora.

Amiraldo da Silva deixou o HMUE ao lado da esposa Severiana Rocha

O Acidente – Uma embarcação que transportava combustível entrou em chamas na tarde do dia 8 de outubro após um dos tonéis com óleo explodir. O barco estava ancorado no porto de Igarapé-Miri, no município de Chaves, no Marajó.

Para o resgate dos feridos, que apresentaram queimaduras por diversas partes do corpo, a Governo do Estado articulou uma força-tarefa com o Estado do Amapá para resgate e atendimento das vítimas, que contou inclusive com uma equipe técnica formada por médicos e enfermeiros, levada ao local para suporte imediato aos pacientes.

Entre esses profissionais estava a enfermeira Nellyane Ferro, coordenadora de enfermagem do Centro de Tratamento de Queimados (CTQ) do Hospital Metropolitano. Ela decolou do Pará para o Amapá, com foco voltado para a estabilização dos quatro pacientes até que eles pudessem ser transferidos para o HMUE.

Para a profissional, o sentimento é de missão cumprida. “Eu me sinto completamente feliz como profissional, claro, mas principalmente como ser humano. Ver eles retornando aos seus lares é uma alegria sem tamanho, e vai além da alta hospitalar, é um retorno à sociedade e a reintegração à família”, diz Nellyane.

“O time do HMUE não mediu esforços para acolher, salvar vidas ou minimizar os efeitos do grave acidente sobre essas pessoas e seus familiares. Hoje celebramos mais uma vitória, vendo Amiraldo voltar para sua família!”, afirma a diretora Hospitalar do Hospital Metropolitano, Alba Muniz.

Para o secretário de Saúde do Pará, Rômulo Rodovalho, o hospital cumpriu a missão delegada pelo governo do Estado, em tratar o paciente como unidade de referência a atendimento de queimaduras severas. “Em um acidente deste porte, fica o agradecimento pelas pessoas que se empenharam em salvar a vida dos feridos e ao Estado do Amapá, que contribuiu para que garantíssemos toda a assistência a essas pessoas”, informou.

O Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, criado pelo Governo do Estado e gerenciado pela entidade filantrópica Pró-Saúde, é referência no atendimento de queimados e recebeu quatro vítimas do acidente, dos quais dois receberam alta após a recuperação e dois não resistiram aos ferimentos.

Texto: Alberto Dergan (HMUE) 

Fotos: Divulgação