Com atendimento humanizado, Policlínica Metropolitana supera os 10 mil atendimentos

A Policlínica Metropolitana superou, na tarde da quinta-feira (25), o número de 10 mil atendimentos médicos realizados. A unidade retomou os atendimentos exclusivos para casos leves e moderados de Covid-19 no dia 6 de março deste ano, sendo mais uma estratégia do governo estadual para conter o avanço do coronavírus no Pará.

Dos 10.243 mil atendimentos realizados na Unidade, menos de 1% tiveram indicação para internação hospitalar, como explica Lilian Gomes, diretora-executiva da Poli Metropolitana. “A estratégia de saúde adotada pelo Governo do Estado do Pará é assertiva e bem sucedida, visto que o atendimento na fase inicial da doença é importante para evitar o agravamento dos casos. Até agora, menos de 1% tiveram indicação para internação hospitalar, o que indica que estamos garantindo à população paraense o acesso aos cuidados médicos e assistenciais, para que os pacientes deem sequência em seu tratamento em isolamento domiciliar. Estamos a disposição da população e temos a absoluta certeza de que venceremos esta doença”, afirmou Lilian Gomes.

A unidade tem capacidade para realizar, de domingo a domingo, mais de 600 atendimentos. A Unidade disponibiliza os serviços de consultas, exames (sangue, raio-X e tomografia) e entrega de medicamentos. O atendimento funciona sempre das 8h às 17h.

Daygiane Gonzalez, 49 anos, moradora do bairro do Marco, em Belém, procurou atendimento médico na Policlínica no dia 17 de março, pontua o atendimento humanizado que recebeu na Unidade

“Além da rapidez, a cordialidade com que fui recebida pelos profissionais da saúde fez com que eu saísse de lá muito satisfeita. Passei por avaliação clínica, onde fizeram a medição de temperatura e oxigenação, sempre com muita atenção e cuidado. Esta ação do governo estadual é muito positiva, ajuda a salvar vidas”, pontuou Daygiane.

No mesmo dia, Anita Souza, de 40 anos, também foi atendida na Unidade. Moradora do município de Santa Isabel do Pará, bairro Aratanha, ela conta que o atendimento foi rápido e eficaz. “Passei pela triagem, depois com a médica, sempre com muita agilidade. Fiz tomografia, recebi medicação e voltei para fazer tratamento em casa. Hoje, estou bem melhor”, contou.

PRIMEIRA FASE – Em 2020, a Policlínica Metropolitana de Belém já havia realizado atendimentos exclusivos para casos leves e moderados de Covid-19. O atendimento iniciou em 21 de abril e a unidade retomou seu perfil de atendimentos em 30 de junho de 2020. Durante este período, a Policlínica fez mais de 44 mil atendimentos.

Para o secretário de Saúde do Pará, Romulo Rodovalho, essa segunda fase de atendimentos na Policlínica Metropolitana, exclusiva para Covid-19, consiste na agilidade de atendimentos para pessoas moradoras de Belém e de municípios próximos que estão com sintomas da doença. “De posse dos laudos, esses pacientes logo são encaminhados para o devido atendimento e tratamento. É uma estratégia que tem dado certo, inclusive no formato das policlínicas itinerantes, na medida em que evitamos o agravamento da doença nessas pessoas e diminuindo os impactos causados pelas internações”, enfatizou.

MUDANÇA – O perfil dos pacientes acometidos pela doença mudou. No ano passado, pessoas acima de 60 anos eram os principais infectados. Atualmente, jovens com 30 anos estão adoecendo com o novo coronavírus.

SERVIÇO: Policlínica Metropolitana de Belém – Av. Doutor Freitas, s/n.
Horário: das 8h às 17h de segunda-feira a domingo.
Capacidade: 600 atendimentos diários.

Texto: Rodrigo Reis/Emater

Fotos: Divulgação

Você pode gostar...