Em quatro meses, Policlínicas atendem mais de 53 mil pessoas em Belém

O serviço das policlínicas tem sido essencial para combater os sintomas leves e moderados da Covid-19

Medida tomada pelo governo do Estado desde o início da pandemia provocada pelo novo coronavírus, as policlínicas itinerantes têm garantido o atendimento a casos suspeitos, leves e moderados de Covid-19 e outras síndromes gripais, evitado o agravamento da doença e a internação hospitalar. Desde quando voltaram a funcionar em Belém, no mês de setembro de 2020, mais de 53 mil pessoas foram atendidas na Unidade Básica de Saúde da Pedreira, Unidade de Referência Especializada (URE) Reduto e nas unidades móveis instaladas no estacionamento do Hangar e do Mangueirão (Estádio Olímpico do Pará).

Para o secretário de Estado de Saúde Pública, Rômulo Rodovalho, as estratégias criadas pelo Governo do Pará, voltadas ao enfrentamento da Covid-19, como as policlínicas, amenizam as internações hospitalares por meio da atenção a casos leves e moderados, ainda no estágio inicial da doença. Porém, ele alertou que “todos devem continuar mantendo as recomendações de distanciamento social, a higiene constante das mãos com álcool em gel e o uso da máscara”.

O titular da Sespa reforçou ainda que, devido ao período chuvoso, é fundamental que a população evite frequentar ambientes fechados, com pouca circulação de ar e favoráveis à aglomeração. “Essas condições são propícias para transmissão de vírus respiratórios, como é o caso da Covid-19”, reiterou.

O material coletado para teste é enviado ao Laboratório Central do Pará

Acesso ao atendimento – Para ser atendido nesses locais, o paciente não precisa levar apenas um documento de identificação oficial. Lá, ele é encaminhado à triagem, onde é verificada a oxigenação do sangue e a pressão arterial. Caso haja necessidade, o paciente é encaminhado ao médico de plantão, que solicita os exames complementares e já fornece a receita com os medicamentos indicados para o tratamento dos sintomas. Todos os testes de RT-PCR são encaminhados ao Laboratório Central do Estado (Lacen). A equipe responsável liga para o paciente para que busque o resultado.

Quem for às Unidades de Saúde da Pedreira e do Reduto não terá contato com os pacientes que são atendidos em outras especialidades oferecidas nesses locais. Na URE Reduto, a entrada é isolada, realizada pela Avenida Manoel Barata, entre a Avenida Visconde de Souza Franco (Doca) e a Travessa Quintino Bocaiúva. Na UBS Pedreira, o serviço funciona no anexo ao prédio, localizado à esquerda da entrada principal, na Avenida Pedro Miranda.

Os atendimentos nessas duas Unidades são realizados de segunda a sábado, das 8 às 17 horas, com limite de 120 atendimentos por dia em cada unidade. Aos domingos, o atendimento inicia no mesmo horário (8 h), mas termina às 13 h. De 10 de setembro de 2020 a 31 de janeiro de 2021, a UBS Pedreira já atendeu 12.929 pessoas e, no mesmo período, a URE Reduto fez 13.326 atendimentos.

Só a Policlínica instalada no Mangueirão já atendeu 9.240 pessoas

A unidade da Policlínica Itinerante no Mangueirão atende de segunda a sábado, das 8 às 17 h, com limite de 250 atendimentos diários. Já a Policlínica Itinerante instalada no estacionamento do Hangar, com limite de 300 atendimentos diários, prossegue com os serviços de segunda a sábado, das 8 às 17 h, com entrada pelo estacionamento, na Avenida Brigadeiro Protázio. O balanço dessas duas unidades já soma, até o dia 31 de janeiro, 17.111 atendimentos na Policlínica de Belém, no Hangar, e outros 9.240 na unidade instalada no Mangueirão.

Caso o paciente chegue a um desses locais e o limite de consultas já houver sido atingido, a recomendação é buscar atendimento em outra Policlínica, procurar a mesma unidade no dia seguinte ou procurar atendimento em unidades de saúde do município, como as Unidades Básicas, Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e prontos-socorros, vinculados às prefeituras, que são a porta de entrada para a assistência à doença.

Perfil ambulatorial – A Sespa informa que a Policlínica Metropolitana, situada na Avenida Almirante Barroso, em Belém, retomou seu perfil de atendimento ambulatorial em mais de 40 especialidades desde o dia 2 de julho de 2020, e desde então não atende mais pacientes suspeitos de Covid-19, como ocorreu em maio e junho de 2020.

Em relação ao atendimento no Hospital de Campanha, no Hangar, as internações de pacientes com a doença só ocorrem mediante encaminhamento feito pelas secretarias Municipais de Saúde em articulação com a Central de Regulação de Leitos da Sespa.

Texto: Mozart Lira/Sespa

Fotos: Ricardo Amanajás e Marcelo Seabra/Ag.Pará

Você pode gostar...