Governo atualiza números da Covid-19 e esclarece mudanças no ‘Retoma Pará’

O governador Helder Barbalho, os secretários Adler Silveira e Ualame Machado, e o reitor da Ufra, Marcel Botelho, durante a transmissão

Em transmissão ao vivo nesta sexta-feira (18), pelas redes de comunicação do Governo do Pará, o governador Helder Barbalho atualizou os números e as medidas referentes à pandemia de Covid-19 em todo o Estado. São 80.072 casos confirmados, 4.469 óbitos, 390 exames em análise, 7.630 suspeitas descartadas e um número muito positivo, 66.918 pessoas já recuperadas da doença. O governador se solidarizou com as famílias das vítimas ao anunciar os números mais recentes da pandemia no Pará.

A atual conjuntura do sistema estadual de saúde mostra os esforços para o enfrentamento à epidemia. Em março, no início da confirmação de casos no Estado, eram apenas três o número de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) específicas para o tratamento de pacientes com a nova doença. Hoje, a população conta com 701 leitos de UTI totalmente equipados com respiradores, monitores paramétricos e bombas de infusão, e 1.500 leitos clínicos distribuídos em todo o território paraense.

Outro reflexo positivo são as taxas de ocupação desses leitos, que continuam diminuindo – 68,62% nas UTIs e 47,97% nos clínicos – uma classificação que permite considerar que o Estado está conseguindo controlar o avanço da Covid-19. Além disso, as estruturas que o governo implementou para atender a população em todas as regiões continuam em pleno funcionamento.

As policlínicas também são uma medida estratégica e alcançam bons resultados. Mais de 30 municípios já receberam as equipes médicas de saúde que levam um grande aparato de assistência à população, incluindo consultas, exames de imagem, medicação e serviço de assistência social. Mais de 50 mil pessoas já foram beneficiadas com o projeto, em Belém e no interior.

O secretário Adler Silveira falou sobre a flexibilização no transporte intermunicipal e interestadual no Estado

Retoma Pará – O governador – que estava acompanhado dos secretários de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, Adler Silveira, e de Segurança Pública e Defesa Social, Wallame Machado, e ainda do reitor da Universidade Federal Rural da Amazônia, Marcel Botelho – esclareceu, mais uma vez, as alterações na retomada gradual de algumas atividades dentro do Projeto Retoma Pará. Uma das mudanças é a respeito das viagens em transportes coletivos interestaduais e intermunicipais, rodoviário e fluvial, que estavam suspensas há cerca de três meses.

Após reunião com a categoria, que apresentou um vasto protocolo de comportamento e higienização, o serviço foi liberado parcialmente. A atividade, agora, passa a compor a lista de trabalhos essenciais, sendo permitida em todas as bandeiras do “Retoma Pará”.

No entanto, mesmo com a circulação liberada tanto as empresas, quanto os prestadores de serviço e a população, precisarão atender a algumas restrições. “A partir de hoje nós estamos flexibilizando o retorno do transporte intermunicipal e interestadual no Estado, seguindo um protocolo robusto, acordado entre o governo e a classe dos donos da empresa de transporte. Inicialmente, este protocolo prevê uma taxa de ocupação de 60% nos veículos e embarcações e, de acordo com novas avaliações sobre o nível de contaminação, e a capacidade do sistema de saúde, essa flexibilização irá aumentar de forma responsável e gradual”, explicou Adler Silveira, titular da Sedeme (Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia).

Bandeira laranja – Outra mudança é em relação aos municípios do nordeste paraense, que passaram a integrar a Zona de Controle I – a bandeira laranja -, que permite a retomada gradual de atividades não essenciais em oito setores econômicos e sociais (concessionárias escritórios, comércio de rua, shopping, salão de beleza, barbearias e afins, indústria, construção civil e igrejas), seguindo protocolos específicos de cuidados contra a Covid-19. Com isso, as 39 cidades que compõem a região, incluindo as microrregiões do Rio Caetés e Metropolitana III, passam a seguir as mesmas recomendações destinadas, anteriormente, às regiões Metropolitana de Belém, do Marajó Oriental, do Baixo Tocantins e do Araguaia.

Durante o anúncio das atualizações, Helder Barbalho mostrou sua preocupação com a diminuição da porcentagem de isolamento social após o início do projeto de flexibilização. “Isto não quer dizer que nós possamos virar a chave e ir para o ‘libera geral’. Pelo contrário. Isto é importante para demonstrar que há uma estabilização, que há uma diminuição, graças a Deus, de óbitos, mas nós não podemos relaxar de maneira alguma. Nós temos que continuar tendo responsabilidade. A minha gratidão absoluta a toda sociedade paraense que tem feito um esforço enorme”, ressaltou o governador.

Mais reforços – O interior do Pará, onde a situação está mais sensível atualmente, principalmente nas regiões Sul, Sudeste e Oeste, continuará recebendo reforços para ofertar melhores condições de atendimento aos pacientes. Hoje, mais cinco respiradores, com toda a estrutura de Unidade de Terapia Intensiva, foram encaminhados ao Hospital de Campanha de Marabá.

Outras 10 UTIs foram enviadas ao município de Santarém, e “durante a semana nós vamos ampliar ainda mais as ofertas destas duas regiões, porque o vírus claramente segue, seja para a região oeste, seja para a região sudeste, e nós temos que estar presentes, cuidando, ampliando a oferta de leitos, inclusive agindo nas tomadas de decisões científicas que nos permitam balizar estas ações”, reiterou o governador.

Texto: Raiana Coelho/Sedeme

Fotos: Marco Santos/Ag. Pará

Você pode gostar...