Governo do Pará participa de lançamento do Plano Nacional de Imunização e aguarda vacinação em janeiro

Pará acompanhou a apresentação oficial do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra o novo coronavírus (Covid-19)

O governador Helder Barbalho participou, na manhã desta quarta-feira (16), da apresentação oficial do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra o novo coronavírus (Covid-19). A apresentação foi realizada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, e pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, em evento no Palácio do Planalto, em Brasília.

Ao término da solenidade, o governador Helder Barbalho reconheceu o esforço do Governo Federal em assumir o protagonismo em imunizar a população e afirmou que a expectativa é iniciar a primeira fase da vacinação já no próximo mês de janeiro.

“Hoje tivemos uma resposta que, efetivamente, o Governo Federal estará cumprindo com a responsabilidade de tratar de maneira igualitária todos os brasileiros e garantir a vacina para todas as 27 unidades da Federação”, relatou Helder Barbalho.

Helder reconheceu o esforço do Governo Federal e afirmou que a expectativa é iniciar a primeira fase da vacinação já em janeiro

“É algo que devemos crer e festejar, ao tempo em que, aguardaremos os prazos efetivos para estabelecer com a população o compromisso da imunização e vacinação. A expectativa é que nós tenhamos em janeiro o início da vacinação para primeira fase. Isto é que os governadores esperam e o que nós desejamos para que, a partir da primeira fase, haja uma convocação nacional de imunização para proteger a população”, completou o chefe do Poder Executivo Estadual paraense.

Durante a solenidade de apresentação, o presidente Jair Bolsonaro defendeu a união no combate ao coronavírus e reconheceu o empenho dos governadores na busca por soluções. Bolsonaro reafirmou a confiança na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para avaliação e certificação das vacinas.

“A grande força que demonstramos agora é a união para buscar a solução de algo que nos aflige há meses. Se algum de nós extrapolou ou até exagerou, foi no afã de buscar solução”, disse o presidente. “Obviamente, estamos tratando de vidas. Temos uma Anvisa que sempre foi referência para todos nós, que continua tendo participação fundamental na decisão de qual vacina deve ser apresentada de forma gratuita e voluntária para todos brasileiros”, afirmou Jair Bolsonaro.

Já o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que o plano é uma visão macro da estratégia para imunizar a população e que a execução irá avançar em ações articuladas com estados e municípios. “Todas as vacinas produzidas no Brasil, pelo Butantan, pela Fiocruz ou por qualquer indústria, terá a prioridade do Sistema Único de Saúde (SUS)”, afirmou.

Plano Nacional – De acordo com o Ministério da Saúde, já está em negociação cerca de 350 milhões de doses de imunizantes para 2021, sendo que a vacinação deve exigir duas aplicações em cada pessoa.

O plano mantém quatro fases de vacinação de grupos prioritários, sendo que as três primeiras devem imunizar 49,65 milhões de pessoas. Nessa etapa inicial, a avaliação para utilizar doses da vacina de Oxford/AstraZeneca, que será fabricada pela Fiocruz, além de aplicar a vacina da Pfizer em profissionais de saúde de capitais e regiões metropolitanas que atuaram na pandemia. A ideia é receber 2 milhões de doses da Pfizer no primeiro trimestre de 2021.

Texto: Leonardo Nunes/Secom

Fotos: Ag. Pará

Você pode gostar...