Governo lança programa Doenças Ortopédicas da Infância

Após 15 anos sem especialistas para o atendimento ortopédico pediátrico no sistema público de saúde, o governo estadual, através da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) lançou nesta terça-feira (21), dia nacional da luta pela Pessoa com Deficiência, o programa “Doenças Ortopédicas da Infância” que vai realizar cirurgias de alta complexidade nos casos de crianças portadoras de deformidades ortopédicas, sejam as congênitas ou as adquiridas.

Durante o discurso no ato de lançamento do programa o governador ratificou a importância de destacar que este não é um projeto temporário. “A prestação do serviço ortopédico infantil passa a estar na agenda do Estado e nós esperamos que essa agenda possa rapidamente garantir a fluidez e que possamos o quanto antes eliminar a fila deste tratamento”, disse Helder Barbalho.

“É uma demanda que estava reprimida no Estado. Nós estávamos há mais de 15 anos sem possibilidade de prestar esse serviço a sociedade. No início da nossa gestão, dentro do programa Fila Zero, nós identificamos e criamos a partir das parcerias que foram construídas o programa Doenças Ortopédicas da Infância, que vai atender crianças de todo o Estado pelo CIIR e no hospital Abelardo Santos”, explica Rômulo Rodovalho, Secretário Titular da Sespa.

O programa não irá atender casos de urgência e emergência, apenas casos de patologias e deformidades em caráter eletivo. A expectativa é que sejam realizadas, em média, 30 cirurgias por mês, no entanto esse número pode aumentar, pois já existe uma demanda de aproximadamente 200 crianças aguardando consultas. O atendimento ambulatorial será realizado pelo Centro Integrado de Inclusão e Reabilitação.

“O CIIR vai atuar tanto no atendimento pré-operatório das crianças, ou seja, fazendo o atendimento inicial, realizando os exames que forem necessários e fazendo o preparado para a cirurgia quanto no pós-operatório realizando o acompanhamento desse paciente” , esclarece Paola Reis, Diretora Executiva do CIIR.

As consultas podem ser marcadas no centro através do WhatsApp (91) 98564-6266 ou ainda através da regulação estadual que fará o encaminhamento dos pacientes. Como nem todos os casos de doenças ortopédicas são cirúrgicos, caso haja encaminhamento médico, o paciente passará pelo procedimento no Hospital Abelardo Santos. “A equipe que atenderá o paciente é a mesma que vai atende-lo ambulatorialmente no CIIR. Nós garantimos dessa forma para a criança e a família o acompanhamento com o profissional que ela já tem confiança e vínculo e isso vai ajudar a evolução pós- cirúrgica do paciente”, afirma Alex Cruz, diretor geral do hospital Abelardo Santos.

Segundo os especialistas cada doença ortopédica possui características próprias em relação ao tempo de tratamento e necessidade de diagnóstico precoce, porém quanto antes as doenças são identificadas, mais chances há da recuperação completa. “Toda vez que você consegue detectar uma deformidade precocemente,  essa deformidade pode ser tratada de uma maneira mais simples e com menos sofrimento para a criança e com menos ônus para o Estado”, ressalta o médico ortopedista Paulo Braga.

*Texto de Caroliny Pinho e fotos de José Pantoja (Assessoria de Comunicação da Sespa)

 

Você pode gostar...