Hangar vira referência em atendimento de Covid- 19 no Pará e Amazonas

Mais de  3.700 pacientes já foram atendidos no Hospital de Campanha de Belém, no Hangar. A estrutura foi montada para atender inicialmente pacientes da Região Metropolitana e das regiões nordeste e Marajó Oriental.

Para o secretário de Saúde Pública do Pará, Rômulo Rodovalho, é muito bom ver que o Estado consegue dar esse suporte para que as pessoas possam se recuperar. “Com certeza trata-se de um espaço de referência para a nossa população e que recentemente também abrigou pacientes vindos dos Amazonas, já que naquele momento o estado não tinha condições de atendê-los. Para nós é muito satisfatório saber que o Hospital de Campanha de Belém realiza um trabalho primoroso e capaz de atender centenas de pessoas,” enfatizou Rômulo.

Nesta segunda-feira (01), o Hangar está atendendo 101 pacientes, sendo 50 em leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). No total, 249 foram transferidos, 2.558  receberam alta e 814 foram a óbito.  A taxa de ocupação de leitos clínicos é de 48% e de UTI é de 50%.

Atualmente, pacientes de procedentes da região Metropolitana de Belém ocupam 32 leitos de enfermaria e 22 de UTI. Já os pacientes do interior do Estado ocupam 21 leitos clínicos e 23 UTI. E 11 pacientes vindos do Amazonas estão em UTI e um em enfermaria.

De acordo com a diretora do Hospital de Campanha do Hangar, Alba Muniz, as equipes de atendimento atuam com duas linhas de frente importantes. “Temos uma equipe que analisa continuamente as solicitações de leitos via Central Estadul de Regulação ,  para que não haja fila de espera, por isso sempre temos mais leitos do que a procura, o que nos possibilita atender às demandas. Também temos a Gestão de Plano Terapêutico, onde damos assistência e acompanhamento do paciente para que ele tenha uma boa evolução do quadro, permitindo que o leito seja usado por outro paciente no menor tempo possivel, ressaltou Alba.

Parceria – Para trabalhar em parceira com os profissionais do Hangar, o Governo do Amazonas enviou uma assistente social para dar assistência aos pacientes oriundos do estado vizinho.

A assistente social Izabela Queiroz veio para Belém para esse suporte dar suporte e avalia de forma positiva a parceria entre os Estados. “Somos todos filhos da Amazônia. Atuamos no sentido de ser presente na vida dos pacientes transferidos pelo Estado do Amazonas para Belém, desenvolvendo ações que busquem assegurar a garantia direitos em busca de que todos retornem saudáveis aos seus lares”, afirmou Izabela.

Segundo a direção do HC de Belém já recebeu 26 pacientes do Amazonas, desses 11 tiveram altas e 3 evoluíram a óbito. Todos os internados recebem boletim diariamente. Cerca de 80% via telefone e 10% presencial.

Texto: Bruna Brabo/Secom

Fotos: Ricardo Amanajás e Marcelo Seabra/Ag. Pará

Você pode gostar...