Hospitais estaduais desenvolvem ações que estimulam a sustentabilidade

Um dos maiores desafios da gestão de infraestrutura hospitalar é fazer o controle do que pode ser reutilizável. É o que já vem acontecendo no Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), em Ananindeua, que se tornou referência na gestão de recurso hídrico através do reaproveitamento de água do sistema de vácuo.

Mas o que é esse sistema? Composto por bombas de alta potência, o sistema de vácuo hospitalar faz a absorção de líquidos e sucções nos centros cirúrgicos. A água garante o funcionamento dos equipamentos, e o que antes era eliminado para o tratamento de esgoto, agora retorna e é reaproveitado. “A água é utilizada em um circuito fechado; passa pelas bombas, faz o vácuo e retorna para a caixa d´água e fica armazenada. Antes, a água fazia esse processo e era descartada”, explica Elias Gomes, engenheiro civil do hospital.

Com essa prática, o Hospital Metropolitano economiza uma certa quantidade de água capaz de abastecer mais de 130 residências por mês. Segundo o diretor de apoio, Alisson Gomes, o hospital também pretende ampliar os projetos de reuso da água no setor da lavanderia. “Através desse projeto do reaproveitamento da água do sistema de vácuo, abriu o leque de projetos pra gente tentar buscar o reaproveitamento da água da lavandaria. Usamos três processos pra lavar toda a roupa, e porque não reutilizar a água desse primeiro processo? É possível”, comenta.

Cozinha Verde – O Hospital Metropolitano também conquistou o segundo lugar no programa nacional Selo Green Kitchen (Cozinha Verde), como unidade que promove boas práticas sustentáveis por meio de reaproveitamento de legumes e verduras, evitando o desperdício e proporcionando uma alimentação sustentável. Além disso, o hospital também faz compostagem dos resíduos orgânicos usados na cozinha.

Impactos ambientais – A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) no processo de licenciamento de grandes obras, como hospitais, faz a verificação de impactos ambientais. É preciso um trabalho eficiente de gestão e reutilização de recursos renováveis para que a aplicabilidade da sustentabilidade seja eficiente.

“O maior desafio é trazer o conceito sustentável para a prática. Com base nisso, durante todas as fases do licenciamento, desses grandes projetos, a Secretaria tem essa preocupação e busca ferramentas para minimizar os impactos”, explica Marcelo Moreno, diretor de licenciamento da Semas.

Santa Casa – A energia solar serve de recurso para a Santa Casa de Misericórdia do Pará, a tradicional maternidade do estado. No oitavo andar da Unidade Almir Gabriel, foram colocadas placas solares que alimentam máquinas para serem utilizadas no aquecimento da água usada na higiene de pacientes, servidores e acompanhantes.

Hospital de Clínicas – Uma parceria de mais de 10 anos entre o Hospital de Clínicas Gaspar Vianna e a Cooperativa de Catadores da Pedreira tem dado destino correto aos resíduos: 26% do que foi produzido ano passado virou renda aos catadores do projeto. Normalmente, a cooperativa arrecada cerca de seis toneladas por semana. São plásticos, papel e ferro.

Texto: Larissa Noguchi/Secom

Você pode gostar...