Hospital Abelardo Santos encerra campanha com alerta às mulheres sobre autocuidado

Hospital Abelardo Santos encerra campanha com alerta às mulheres sobre autocuidado

27 de outubro de 2021 Off Por Roberta Vilanova

Usuários, acompanhantes, funcionários e estudantes da área da saúde acompanharam a programação

Ao longo da semana, uma programação especial marcou a campanha Outubro Rosa, de combate ao câncer de mama, no Hospital Regional Dr. Abelardo Santos (HRAS), no distrito de Icoaraci, em Belém. A unidade se “vestiu” de rosa para levar informações a funcionários, alunos internos, pacientes e acompanhantes sobre os cuidados com a saúde feminina.

No encerramento do evento, na manhã desta quarta-feira (27), o ambulatório do Hospital foi palco de orientações, palestras de profissionais da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) e demonstrações do autoexame das mamas, primeiro passo para prevenir o desenvolvimento e detectar precocemente a doença.

No HRAS, que recebe mais de 300 pessoas por dia, os usuários puderam tirar dúvidas sobre o desenvolvimento do câncer de mama e as formas de tratamento. A autônoma Josiane de Oliveira, 47 anos, acompanhava seu marido em uma consulta com o cirurgião vascular e fez questão de participar da roda de conversa. “Tive uma amiga que passou por muito sofrimento com a doença, e isso foi um alerta. Hoje, estou atenda a todas as informações possíveis. Pratico esporte, cuido da minha alimentação, já que trabalho com suplementos de academia, e faço meus exames rigorosamente”, disse a moradora do município de Ananindeua.

Quem também considerou o alerta fundamental foi a dona de casa Maria Natalina Alves, 52 anos, que aguardava sua consulta com o clínico. A moradora do bairro Tenoné, viúva há alguns anos, lembrou que era o marido quem sempre a incentivava a preservar a saúde. “Depois da morte do meu esposo, fiquei um tempo sem me cuidar. Mas neste ano criei coragem e já fiz meus exames. Precisamos nos cuidar, e quanto mais as pessoas estiverem informadas, será melhor para combater a doença”, frisou.

O evento no Ambulatório do HRAS reiterou as informações sobre diagnóstico e tratamento do câncer de mama

“Dever cumprido” – A programação foi uma iniciativa conjunta de diversos setores do Hospital Abelardo Santos. “Finalizamos a campanha com a sensação de dever cumprido. A enfermagem, o serviço social, o ambulatório, a humanização, os médicos, a equipe multiprofissional, o Serviço de Atendimento ao Usuário e o Departamento de Ensino e Pesquisa (DEP) fizeram um grande esforço para alertar toda a sociedade hospitalar sobre o câncer de mama, e o mais importante: o autocuidado com a saúde da mulher”, explicou Marcos Silveira, diretor executivo do Hospital Abelardo Santos.

Além das rodas de conversas, as abordagens individualizadas, lanche com bolo cor de rosa e as dinâmicas com os alunos de instituições de ensino que fazem estágio na unidade hospitalar, o “Abelardo Santos” disponibilizou exames de mamografia e consultas com mastologistas. O serviço já faz parte das especialidades do HRAS, com atendimentos via Rede Estadual de Regulação.

Para a enfermeira Keiza Trindade, lotada no ambulatório do HRAS, a ação é um alerta para que a população saiba diagnosticar os sinais e sintomas do câncer de mama. “Estamos aqui para dizer o quanto é importante se tocar e se conhecer, para reconhecer a patologia de forma precoce e obter mais chances de cura, e com isso diminuir o índice de mortalidade”, observou a profissional.

Autocuidado – O evento contou com a participação da coordenadora da Atenção Oncológica da Sespa, Patrícia Martins, que apresentou dados relevantes sobre a doença. No Pará o câncer de mama apontou ligeira queda: em 2019, foram 677 casos; em 2020, 646 ocorrências, e neste ano, até o momento, já são 299 notificações.

“O primeiro passo é essa mulher vencer a barreira do medo e se conhecer. Se notar qualquer alteração no seu corpo, o segundo passo é ir até o médico e fazer uma consulta. Em seguida, o exame para buscar um resultado conclusivo. Tudo isso faz parte do autocuidado para a redução da mortalidade no nosso Estado, por meio de um diagnóstico precoce e de um tratamento menos agressivo e com maiores chances de cura”, alertou Patrícia Marins.

A coordenadora ainda abordou questões relacionadas ao significado da mama para a mulher, as emoções e o medo da descoberta do diagnóstico. Outra questão levantada foi a idade. “Por faixas etárias, a incidência da doença tem sido maior entre mulheres de 50 a 59 anos (28%), seguidas por 40 a 49 anos (27%) e 60 a 69 anos (21%), levando em conta os casos ocorridos entre 2019 e 2020”, completou.

Apesar da oferta de 600 exames de mamografia, 50 biópsias de mama e 300 consultas com mastologista por mês, no Hospital Abelardo Santos, administrado pelo Instituto Mais Saúde, não é feito o tratamento de neoplasias malignas. A unidade, no entanto, dispõe de serviços voltados à saúde feminina, e, ao serem diagnosticados tumores malignos, as pacientes são encaminhadas para hospitais de referência da rede estadual pública de saúde.

Texto: Roberta Paraense HRAS

Fotos: Divulgação