Hospital do Marajó garante assistência adequada aos bebês prematuros

O HRPM, em Breves, integra a rede pública estadual de saúde com assistência de média e alta complexidade e atendimento ambulatorial

Referência na assistência de média e alta complexidade, o Hospital Regional Público do Marajó (HRPM), em Breves, no sudeste marajoara, adere ao “Novembro Roxo” para chamar atenção para a prematuridade dos bebês, um problema que atinge milhões de crianças ao redor do mundo.

De acordo com o Ministério da Saúde (MS), os problemas da prematuridade afetam 340 mil bebês no Brasil. Este ano, a campanha do “Novembro Roxo” tem o slogan ‘’Juntos pelos prematuros, cuidando do futuro’’.

E neste mês, o Hospital Regional Público do Marajó (HRPM), em Breves, também se volta para a prevenção e conscientização da prematuridade com o intuito de mostrar os perigos e cuidados que as gestantes devem tomar caso se tornem vítimas desse tipo de parto de risco.

Segundo dados da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), em 2019, foram contabilizados 13.893 nascimentos prematuros em todo o Pará. Em 2020, de janeiro até 19 de novembro, foram 13.553 registros.

Em 2019, a equipe do Hospital Regional Público do Marajó realizou 131 partos normais, desses, 45 foram prematuros. Em 2020, já foram 103 partos normais, sendo 44 deles, de bebês prematuros.

A pedagoga Ana Rita com a filha Mirella, na UTI Pediátrica, onde a bebê recebe os serviços de pediatra, fisioterapia, fonoaudiologia etc

A pedagoga Ana Rita Lobato Pereira, residente do município de Breves, faz parte dessa estatística de atendimento promovido pela equipe multiprofissional do Regional do Marajó. Ela teve sua filha prematuramente em setembro de 2020, no HRPM, e há dois meses a pequena Mirella, que passou pela Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTI Neo) e hoje está na UTI Pediátrica, recebe todos os cuidados necessários para o seu desenvolvimento, o que inclui os serviços de pediatra, fisioterapia e fonoaudiologia, entre outros.

“Inicialmente a minha gravidez estava normal e ao fazer uma ultrassom foi diagnosticado que eu estava com um problema na corrente sanguínea uterina, e minha filha não estava recebendo os nutrientes e oxigênio necessários”, contou Ana Rita Pereira ao destacar que recebeu todo o suporte para o tratamento da sua bebê que nasceu com 35 semanas e 1,300 Kg. Hoje, a bebê pesa 2,140Kg , e Ana Rita não se cansa de agradecer o atendimento da equipe HRPM, essencial para a evolução da saúde de Mirella.

De acordo com a fisioterapeuta Jéssica Cardoso, a criança tem acompanhamento desde a UTI Neo, quando apresentava  desconforto respiratório e baixo peso. “Diante do caso, a atividade de fisioterapia teve o objetivo adequar o padrão respiratório, por meio de manobras e expansão pulmonar, suplementação e oxigenoterapia”.

“Hoje ela respira sem desconforto respiratório. A assistência prestada também previne possíveis sequelas no desenvolvimento motor, em decorrência da prematuridade’’, explica a fisioterapeuta Jéssica Cardoso.

O tratamento da pequena Mirella também conta com o serviço de fonoaudiologia, vital para o desenvolvimento alimentar dos pequenos usuários. “No hospital, a fonoaudiologia tem o objetivo de ajudar as crianças a conseguirem se alimentar, em especial, com a Mirella, que precisou desenvolver os reflexos para conseguir se alimentar, sugar de forma adequada. Hoje ela já aceita o alimento, mas precisa melhorar ainda mais’’ ressaltou o fonoaudiólogo Elivelton Baratinha.

MAIS SOBRE PREMATUROS

Enfermeira do Espaço Gestante do HRPM, Leyde Elen Teixeira explica que o parto prematuro corresponde ao nascimento do bebê antes das 37 semanas de gestação, o que pode acontecer devido à infecção uterina, ruptura prematura da bolsa amniótica, descolamento da placenta ou doenças relacionadas com a mulher, como anemia ou pré-eclâmpsia, por exemplo.

O Brasil é o 10º País com mais partos prematuros no mundo. São cerca de 340 mil nascimentos de bebês nessas condições por ano, aponta a Organização Mundial de Saúde (OMS). No mundo, ocorrem 15 milhões de nascimentos nesse perfil, ou seja, um em cada dez bebês nascem prematuros todo ano, sendo que 1 milhão deles morre, consolidando assim a prematuridade como a principal causa de mortalidade infantil até os cinco anos de idade.

Para cumprir sua missão na assistência à maternidade, o HRPM investe na gestão para manter atendimento seguro, de qualidade e humanizado também aos bebês que nascem, prematuramente, na unidade hospitalar, que atende somente casos de gravidez de alto rico.

Serviço

O HRPM é um órgão do governo do estado que presta assistência de média e alta complexidade aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Dispõe de atendimento ambulatorial de segunda a sexta-feira, das 7 às 17 h.

O hospital fica na avenida Rio Branco, 1.266, no bairro Centro, em Breves, no Marajó.

Mais informações: (91) 3783-2140/ 3783-2127.

Texto: Lucas Brilhante/HRPM

Fotos: Ascom/HRPM

Você pode gostar...