Hospital Galileu registra mais de 95 mil atendimentos e tem atuação estratégica contra à Covid-19

145 pacientes conseguiram se recuperar da Covid-19 no Hospital Galileu

Mesmo com os desafios impostos pela pandemia do novo coronavírus, o Hospital Público Estadual Galileu (HPEG) precisou atuar de forma ainda mais estratégica em 2020. Localizado em Belém, o HPEG realizou 95.904 mil atendimentos no ano passado, entre procedimentos cirúrgicos, consultas especializadas, internações e atendimento multiprofissional.

“O Hospital Galileu exerceu importante atuação no atendimento às vítimas da Covid-19. No auge da pandemia no Pará, alteramos nosso perfil de atendimento exclusivamente para o novo coronavírus, em atenção ao chamado do Estado e necessidade da sociedade”, explicou o Thiago Zache, diretor Hospitalar do HPEG.

Durante quase dois meses, a unidade passou a ser referência em casos do novo coronavírus. O desafio foi se adaptar ao novo perfil de pacientes, exigindo a implantação de novos fluxos e treinamentos, além da readequação do espaço físico.

Com 94 leitos clínicos e dez leitos de UTI (Unidade de Terapia de Intensiva) disponibilizados durante à pandemia, 145 pacientes tiveram sua saúde recuperada e puderam voltar para as suas famílias. O registro de algumas altas médicas se tornou símbolo de superação e incentivou profissionais de saúde na luta contra a doença.

“Em um curtíssimo intervalo de tempo, o HPEG realizou a contratação de profissionais, fez adaptações de infraestrutura exigidas pelas autoridades sanitárias e implantou protocolos necessários para atuar na pandemia. Neste sentido, temos que agradecer aos nossos colaboradores que demonstraram dedicação e profissionalismo”, complementou o diretor.

Pertencente ao governo do Estado, o Galileu é uma unidade de retaguarda para os casos de traumas ortopédicos, cirurgias de alongamento ósseo e torácica e urologia.

Certificado nacional de qualidade – Em 2020, o HPEG manteve a certificação ONA 3 Acreditado com Excelência, concedida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA). Com isso, a unidade continua entre os hospitais do Brasil reconhecidos por atingirem o mais alto padrão internacional de qualidade e segurança assistencial aos pacientes.

“Além de capacitar mais de 300 profissionais de saúde para o atendimento ao novo coronavírus, entre médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem, manter a certificação da qualidade assistencial pela ONA representou uma grande demonstração do valor de nossas equipes multiprofissionais”, explica Lucas Geralde, médico e diretor Técnico do HPEG.

Luta contra a Covid-19 e humanização no atendimento – Após contrair o novo coronavírus, Jefferson Assayag, de 54 anos, ganhou uma nova chance de viver. Internado em estado grave na UTI do Hospital Galileu, em junho de 2020, o vendedor reagiu bem ao tratamento recebido na unidade e conseguiu voltar para o convívio de seus quatro filhos e esposa. “Passei por uma verdadeira luta. O atendimento que recebi foi essencial para salvar a minha vida”, relatou, emocionado, Jefferson.

Antes da pandemia chegar no Estado, foi elaborado um plano de ação voltado para a preparação dos diferentes setores do hospital, disseminando informações sobre as formas de contágio, uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e medidas preventivas, entre usuários e colaboradores.

Quando o HPEG voltou a atender casos de trauma ortopédicos, houve a junção da tecnologia com exercícios terapêuticos durante o trabalho de reabilitação dos pacientes.

Unidade usa a gameterapia para estimular pacientes em recuperação motora e ortopédica

Por meio da “gameterapia”, a partir de uma plataforma adaptada a um videogame, o paciente é estimulado a mover os braços e pernas para interagir com o jogo. Assim, estará realizando movimentos necessários e que fazem parte do tratamento de fisioterapia.

Bruno Pereira, de 21 anos, fez questão de participar de todas as sessões durante o tratamento de sua perna direita, operada após uma fratura em um acidente de moto. “Os exercícios estão me fazendo bem. Já consigo pisar com o pé no chão, o que não conseguia antes”, disse Bruno.

A iniciativa é desenvolvida desde 2017 no Hospital Galileu e já beneficiou mais de 500 pacientes. Apenas no ano de 2020, mais de 70 pessoas tiveram a gameterapia incluída em seu protocolo de fisioterapia e reabilitação.

A unidade ainda conta com o “Cine Galileu”, que leva sessões de cinemas para as enfermarias e UTI. Já a “musicoterapia virtual”, adaptada devido a necessidade do distanciamento social, proporciona um período de internação agradável e humanizado aos pacientes do Hospital Galileu.

Texto: Rafaela Palmieri/HPEG

Fotos: Ascom/HPEG

Você pode gostar...