Hospital Geral de Tailândia adere ao ‘Janeiro Roxo’ na prevenção contra a hanseníase

“Hanseníase: conhecer para não discriminar” é o tema da campanha Janeiro Roxo, que alerta a população sobre a importância da prevenção da doença, sintomas, diagnóstico e tratamento. Referência na assistência de baixa e média complexidade na mesorregião do nordeste paraense, o Hospital Geral de Tailândia (HGT) adere à campanha e realiza palestras, com ações de educação em saúde para usuários e acompanhantes.

Hanseníase é uma doença infecciosa e contagiosa, que causa manchas esbranquiçadas ou avermelhadas na pele. O doente pode também apresentar alteração de sensibilidade, não sentindo calor, frio e o toque. “É comum ter sensação de formigamento, fisgadas ou dormências nas extremidades e em algumas áreas pode haver diminuição de suor e pelos”, explica a fisioterapeuta especialista em Terapia Intensiva, Fernanda de Paula Cordeiro, que conduz as ações da campanha com o enfermeiro da UTI, Ronaldo Bentes, por meio do Grupo de Trabalho de Humanização (GTH).

Durante as palestras, Ronaldo Bentes ressalta que a doença não é hereditária, mas é causada pelo bacilo Mycobacterium leprae e sua transmissão acontece de pessoas doentes sem tratamento para pessoas saudáveis, pelas vias aéreas superiores (tosse, espirro, fala).

“A doença pode ser diagnosticada em uma consulta médica, onde é analisada lesões na pele, como manchas e alterações neurológicas específicas. O serviço público de saúde em todo Brasil oferece gratuitamente o tratamento, que dura entre seis meses e um ano”, ressalta Bentes.

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), o primeiro atendimento deve ser feito na Unidade Básica de Saúde (UBS), que é a porta de entrada do SUS.

Tratamento multidisciplinar – A fisioterapia está entre as várias especialidades oferecidas pelo HGT, fazendo parte do tratamento da hanseníase. O serviço inicia com a avaliação do grau de incapacidade e avaliação neurológica simplificada no diagnóstico funcional.

“É essencial ser feita a cada três meses para verificar a evolução da doença. O grau de incapacidade verifica a perda de sensibilidade protetora e/ou deformidades visíveis”, afirma Fernanda de Paula.

Já a avaliação neurológica verifica a integridade da função neural, identifica precocemente neurites, monitora a resposta ao tratamento indicado e determina a necessidade de cirurgia.

A atuação do fisioterapeuta na hanseníase consiste na orientação sobre a patologia ao paciente, ao comunicante e à população em geral, prevenção de novos casos, realização do diagnóstico funcional, avaliação, tratamento e reabilitação de incapacidades físicas e reintegração social.

Fernanda destaca as principais abordagens no tratamento, entre eles, os exercícios de fortalecimento e alongamento muscular, mobilização passiva ou ativa, facilitação neuromuscular proprioceptiva, técnica de mobilização neural, eletroterapia, entre outros.

Estrutura – Com 51 leitos, o HGT dispõe de assistência de média complexidade garantida por uma equipe multidisciplinar, que oferece as especialidades de Clínica Médica, Cirurgia Geral, Pediatria, Ginecologia/Obstetrícia, Ortopedia/Traumatologia, Radiologia, Anestesiologia e Cardiologia.

Serviço:  O HGT é um órgão do governo do Estado e está localizado na avenida Florianópolis, s/n, Bairro Novo. Mais informações pelo fone (91) 3752-3121.

Texto: Cleyton Rogério/HGT

Foto: Ascom/HGT

Você pode gostar...