Indígenas destacam importância de ala exclusiva no Hospital de Campanha de Marabá

Recuperada de Covid-19, Tiramuiá Suruí disse que está satisfeita: “tem muitos índios doentes e internados ainda”

“Nós estamos precisando bastante de atendimento de saúde. Já tivemos muito casos de novo coronavírus e alguns guerreiros morreram, então agradecemos ao governo por essa assistência”. O relato é da indígena Tiramuiá Suruí, de 46 anos, residente da Terra Indígena Sororó, no município de São João do Araguaia, sudeste paraense, ao destacar a importância da ala exclusiva para indígenas no Hospital de Campanha de Marabá, entregue no último sábado (6).

Mãe de dois filhos, Tiramuiá conta que já teve os sintomas da Covid-19. “Senti dor de cabeça, canseira, meu marido até me ajudava a andar. Agora fiquei satisfeita com mais essa ala para nós indígenas no hospital de campanha, tem muitos índios doentes e internados ainda”, disse ao receber a equipe da Agência Pará em casa, na Terra Indígena Sororó.

Também morador da aldeia, o indígena Waimon Suruí, de 41 anos, conta que os casos de coronavírus na região preocupam. “É importante para nós essa parte da saúde. Já teve alguns casos por aqui e um guerreiro nosso morreu. Até eu estive doente, mas já me recuperei, então esse novo lugar no hospital vai ajudar muito a gente”, conta ele, que é pai de cinco filhos.

Ubirajara Sompré, apoiador técnico de saúde da região, agradeceu a ala para os índios

Para o apoiador técnico de saúde da região, Ubirajara Sompré, a nova ala exclusiva, que conta com 10 leitos clínicos, vai ajudar no combate ao novo coronavírus entre os indígenas do sudeste paraense.

“Nós temos uma dificuldade hoje, já que nossos anciões não podem se locomover e estavam com medo de sair da aldeia. E com essa ala, exclusiva para nós, fica mais fácil o acesso à saúde. Espero que não precisamos usá-la, mas que a gente possa ter esse resultado quando precise. Ontem mesmo tivemos um ancião que precisou da ala e foi muito bem atendido no Hospital de Campanha de Marabá” – Ubirajara Sompré, apoiador técnico de saúde da região

Cerca 400 indígenas divididos em seis comunidades vivem na Terra Indígena Sororó.

Indígenas da região também receberam atendimentos prestados do Corpo Militar de Saúde da Polícia Militar do Estado

Apoio – O Corpo Militar de Saúde da Polícia Militar do Estado também realiza atendimentos para os indígenas da região. De forma prática, a equipe formada por médicos e técnicos, oferece consultas médicas, visitas domiciliares aos indígenas idosos, com dificuldade de locomoção ou com saúde frágil, e testes rápidos para detectar a Covid-19.

A ação também leva às aldeias kits com medicamentos. As medidas têm apoio da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), que faz a mediação com os pacientes. Outra equipe que atua na região, formada por psicólogo, enfermeiro, médicos e técnicos em enfermagem, também integra a força-tarefa.

No fim de maio, o Corpo Militar de Saúde da PM esteve na terra dos Assurini, na zona rural de Tucuruí, também no sudeste paraense, levando atendimento médico aos indígenas. Os militares forneceram produtos de higiene e remédios para o tratamento da Covid-19, além de consulta médica para 105 indígenas, entre adultos, crianças e grávidas.

Texto: Bruno Magno/ CPH

Fotos: Marco Santos/Ag. Pará

Você pode gostar...