Mais de 17 mil pessoas já passaram pela Policlínica Itinerante nos bairros

Pelo menos 150 atendimentos foram feitos, até o começo desta tarde, na Escola Estadual José Valente Ribeiro, na Cabanagem

Desde o dia 30 de maio percorrendo bairros de Belém e demais municípios da Região Metropolitana, a Policlínica Itinerante já realizou mais de 17 mil atendimentos de pessoas com sintomas leves e moderados do novo coronavírus. Nesta quinta (18), as ações chegaram aos bairros da Cabanagem e Águas Lindas, e lá ficam até sábado (20). A unidade montada na Estação das Docas irá atender até este domingo (21).

Até o início desta tarde, pelo menos 150 atendimentos foram feitos na Escola Estadual José Valente Ribeiro, na Cabanagem, considerado um dos bairros mais populosos da capital paraense. Em Águas Lindas, esse número estava em 160. A expectativa, em ambas as áreas, é de que, nesses três dias, a demanda chegue a 200 por dia. O funcionamento da unidade móvel ocorre entre 8h30 e 17h30. Um total de 24 profissionais, incluindo médicos, enfermeiros, técnicos e administrativos, estão envolvidos na ação.

“Na Estação das Docas, já tínhamos recebido 180 pessoas só hoje até logo depois do almoço. A procura ainda é grande, principalmente por parte dos ribeirinhos, que atravessam o rio atrás de ajuda médica, frequentadores e trabalhadores do centro comercial e de moradores do entorno – Comércio, Reduto e Umarizal”, explica Alessandra Amaral, coordenadora da versão móvel do serviço – que só neste local já registrou quase 5 mil atendimentos. “A busca é principalmente por medicação, atendimento e teste para saber se já tiveram contato com vírus”, confirma.

Em Águas Lindas, centenas de moradores também foram atendidos e consultados

Itinerante – No bairro da Terra Firme, também em Belém, a versão móvel do projeto esteve presente entre sábado (13) e terça (16), na Escola Estadual de Ensino Fundamental Matheus do Carmo, e foi visitada por mais de 400 moradores só entre o primeiro e o segundo dia. Quem procurou a Policlínica recebeu informação sobre a doença, orientação sobre contágio e prevenção. Além disso, pacientes passaram por consulta, exames, e no caso do diagnóstico positivo, receberam medicação para o tratamento em casa.

O bairro da Guanabara, em Ananindeua, conta com os serviços da Policlínica desde segunda (15). Os cerca de 200 pacientes já recebidos passaram por triagem e consulta, e recebem kits com medicamentos, seguindo os protocolos do Ministério da Saúde. Por lá, o atendimento foi encerrado nesta quinta, às 17h30.

Completo – Caso seja necessário, o paciente faz exames complementares, como raios X, tomografia e PCR. Com o resultado em mãos, ele retorna ao médico na hora e já leva os remédios para tratar em casa. “O importante é que a gente previne que o paciente leve e moderado, que procura esse serviço, venha a agravar e precisar de leitos hospitalares”, justifica Alessandra.

Policlínica nos bairros

Em Belém, já foram atendidos os bairros do Guamá, Pedreira, Marco, Marambaia, Jurunas, Sacramenta e Benguí. Em Ananindeua, esteve no Maguari, Centro, Coqueiro, Paar, Cidade Nova, Distrito Industrial e Jaderlândia.

Ações já passaram por 14 bairros de Belém e Ananindeua

Funcionamento – A estrutura da Policlínica Itinerante é montada conforme a demanda de cada bairro. Os serviços são realizados de forma humanizada, no mesmo padrão do Hospital Regional Dr. Abelardo Santos (HRAS) e da Policlínica Metropolitana.

Em todas as ações, são ofertadas consultas médicas e exames laboratoriais e de imagem, com resultados disponíveis em pouco tempo. A partir da avaliação especializada, são entregues medicamentos aos pacientes para tratamento em casa.

A escolha dos endereços que recebem a ação é feita pela proximidade a feiras e mercados, e também pelo critério demográfico, considerando principalmente as áreas mais populosas.

 

Texto: Carol Menezes/Secom

Fotos: Alex Ribeiro/Ag. Pará

Você pode gostar...