Mesmo atendendo casos de Covid-19, Hospital Regional do Tapajós chega à marca de 100 cirurgias

A centésima cirurgia no HTR, na área de Ortopedia, foi realizada em um homem de 19 anos

Com o atendimento ampliado em traumatologia pelo regime de porta aberta, sem necessidade de encaminhamento, o Hospital Regional do Tapajós (HRT), em Itaituba, Sudoeste do Pará, registrou na tarde da última quarta-feira (10) a marca de 100 procedimentos cirúrgicos, um marco para a região do Tapajós e para a trajetória do HRT, que em pouco tempo se tornou referência em atendimento humanizado e de qualidade a pacientes diagnosticados e com suspeita da infecção pelo novo coronavírus.

“Quando o Hospital Regional do Tapajós iniciou o atendimento em traumatologia pelo regime de ‘porta aberta’, em 18 de janeiro deste ano, foi mais uma estratégia do Governo do Pará para ofertar desse tipo de serviço para outras regiões, a fim de suplantar uma dificuldade que tínhamos em fazer a regulação rápida desses pacientes”, frisa o secretário de Estado de Saúde Pública, Rômulo Rodovalho.

Os principais procedimentos cirúrgicos foram realizados nas seguintes especialidades: Cirurgia Geral, Ortopedia e Traumatologia e Neurocirurgia. A centésima cirurgia ocorrida foi ortopédica, em um homem de 19 anos.

Trabalho em equipe – A sintonia das equipes e a qualidade na oferta dos serviços foram decisivas para que as operações ocorressem com sucesso. “Não é só um processo de fazer cirurgias ou de fazer saúde de alta complexidade em Itaituba. É um processo do pioneirismo, onde todos esses profissionais, e a própria população, estão envolvidos na criação de alta complexidade”, afirma o neurocirurgião Erik Simões, responsável pela primeira neurocirurgia emergencial em paciente com traumatismo craniano no HRT.

O especialista destaca, ainda, a oferta do serviço no HRT para a população da região do Tapajós. “É gratificante para nós, profissionais, e para todos os gestores, pois permite que a população seja cuidada na sua integridade, em sua própria região, um dos direitos fundamentais dos cidadãos. E o número de 100 cirurgias é simbólico, pois mostra que estamos no caminho do progresso e da oferta de cuidado integral a todos os pacientes”, enfatiza.

Eficiência – Os primeiros cem procedimentos cirúrgicos foram alcançados em menos de dois meses de funcionamento do centro cirúrgico, ressalta a diretora-geral do HRT, Karla Cajaíba. “Em pouco tempo atingimos a marca de 100 cirurgias, mesmo enfrentando e combatendo uma pandemia, que por muitas vezes acaba afastando as pessoas de hospitais e tratamentos de saúde. O Centro Cirúrgico do HRT tem possibilitado mais soluções e atendimento em saúde com procedimentos cirúrgicos à população da região do Tapajós. As equipes multiprofissionais capacitadas e a estrutura moderna evidenciam a qualidade e eficácia nos procedimentos aqui realizados”, acrescenta a gestora hospitalar.

O médico ortopedista e traumatologista Leonard Cabral também destaca a importância da ampliação dos atendimentos. “Foi um marco, principalmente no que se refere a cirurgias ortopédicas no município de Itaituba, pois era uma carência que tinha tanto na cidade como na região, e participar desse marco foi de extrema importância, visto que sou filho da região”, pontua o especialista.

Leonard Cabral frisa, ainda, a agilidade das equipes no transporte dos pacientes politraumatizados até o HRT, que considera essencial para os procedimentos. “Isso tem sido um dos fatores principais, pois temos admitido os processos cirúrgicos em quadro inicial, o que garante melhores resultados aos pacientes”, afirma. (Com informações de Douglas Gomes).

Texto: Melina Marcelino/Sespa

Foto: Divulgação

Você pode gostar...