No um ano do Hospital de Campanha de Belém, pacientes recuperados agradecem por atendimento

“Eu me emociono, agradeço minha vida a Deus e em segundo a equipe de saúde do Hospital de Campanha do Hangar, fui muito bem tratado e tenho uma profunda gratidão a todos”, conta Vinicius de Souza, de 41 anos. O advogado ficou internado no Hospital de Campanha do Hangar durante 17 dias.

A história dele é uma dentre as mais de 5.460  mil pessoas que durante um ano foram atendidas no Hospital de Campanha do Hangar, em Belém, que começou a receber pacientes no dia 10 de abril de 2020.

Atualmente o Hospital, com 160 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 260 leitos de enfermaria, tem mais de mil profissionais em seu quadro funcional. São enfermeiros, técnicos de enfermagem, médicos, nutricionistas, fisioterapeutas, farmacêuticos, psicólogos, assistentes sociais, maqueiros e a equipe de limpeza, todos atuando na linha de frente, além dos profissionais que estão nos bastidores, no setor administrativo.

No dia 1 de novembro de 2020, Vinicius procurou atendimento na Policlínica do Hangar, ele já não conseguia se alimentar e a saturação estava em 75%. Depois do atendimento médico, foi encaminhado diretamente para o Hospital de Campanha e logo precisou ser intubado.

“Quando soube que ia ser intubado eu fiquei desesperado, chorava escondido debaixo da coberta. Tinha medo de deixar minha mulher e minha filha. Mas eu confiei na equipe de saúde, todos me apoiaram muito. É nesse momento que a gente percebe a nossa pequenez de estar ali, lembro a gentileza de todos”, conta Vinicius.

Seu Raimundo Costa

Outro paciente que teve a vida salva no Hospital de Campanha foi Seu Raimundo Costa, de 95 anos, o aposentado esteve internado na unidade por 38 dias. Por quatro vezes, precisou ser tratado na UTI. Hoje, ele está se recuperando em casa, na companhia da filha Eliete Costa.

“Em maio de 2020, meu pai começou a ter febre, tosse e cansaço. Ele ficou 38 dias internado, foi um período muito difícil. De manhã a gente tinha notícias de que ele estava bem, de tarde ele piorava e ia para a UTI, isso aconteceu várias vezes, então quando recebemos a notícia da alta foi uma alegria, um renascimento dele” diz Eliete.

O secretário de Saúde do Pará, Romulo Rodovalho, assegura que o principal objetivo do Hospital de Campanha é salvar vidas, garantindo atendimento seguro e de qualidade para a população. “O Governo do Pará, por meio da Sespa, reforça o compromisso que tem com o povo do Pará, garantindo atendimento para os pacientes com Covid-19. O Hospital de Campanha é uma das estratégias que demonstra nosso empenho em ajudar os pacientes a se recuperarem e retornar para as suas famílias e para seus lares. O Brasil inteiro vive um momento muito difícil, mas seguimos na luta para que mais vidas sejam salvas”, afirma.

A Sespa informa que, neste sábado (10), a unidade atende 305  pacientes, sendo 141 em leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O governo do Estado já ultrapassou a marca de dois mil leitos exclusivos para tratamento contra o novo coronavírus.

Usina de oxigênio – Já está em funcionamento, desde o último dia 2 de abril, a usina de oxigênio instalada no Hospital de Campanha de Belém, que funciona no Hangar – Centro de Convenções. “Essa é mais uma estratégia do governo do Estado, por meio da Sespa (Secretaria de Estado de Saúde Pública), para garantir o atendimento aos pacientes que estão internados no Hospital de Campanha. Essa unidade é, atualmente, a referência para os atendimentos de Covid-19 no Estado, por isso é de extrema importância reforçarmos esta estrutura”, afirmou o titular da Sespa, Rômulo Rodovalho.

A usina tem capacidade para produção diária de 2.400 metros cúbicos de oxigênio, o equivalente ao abastecimento de 240 cilindros do gás/dia. O insumo é essencial para o atendimento de casos graves da doença.

Texto: Melina Marcelino/Sespa

Foto: Bruno Cecim/Ag. Pará

Você pode gostar...