Oficinas lúdicas para crianças com transtorno do espectro autista são realizadas pelo Natea

Oficinas lúdicas para crianças com transtorno do espectro autista são realizadas pelo Natea

13 de outubro de 2021 Off Por Roberta Vilanova

As atividades proporcionam estimulação sensorial e seletividade alimentar com oficinas de história, recreação, sensorial e de biscoitos

O Centro Integrado de Inclusão e Reabilitação (CIIR) realiza, entre 13 e 15 deste mês, um ciclo de oficinas lúdicas para crianças atendidas no Núcleo de Atenção ao Transtorno do Espectro Autista (Natea), em Belém. Alusivas à Semana da Criança realizada pelo órgão, as atividades tem proporcionado estimulação sensorial e seletividade alimentar com oficinas de história, recreação, sensorial e de biscoitos (cookies).

Nesses momentos, as crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA) tem tido a oportunidade de interagir entre elas através da comunicação verbal e não-verbal, resolver conflitos internos/externos e são estimuladas a saber lidar com situações inesperadas, como fazer colagens em formas de quebra-cabeças. “É muito importante que o espaço terapêutico não seja só voltado para terapia, mas também voltado para atividades lúdicas e, acima de tudo, um espaço feliz e de socialização”, afirma a coordenadora estadual de Políticas para o Autismo, Nayara Barbalho.

Mensalmente, o Natea atende cerca de 300 usuários, no CIIR. Focado na Análise do Comportamento Aplicada (ABA) e em outras evidências científicas, o espaço oferece serviços multiprofissionais que auxiliam no desenvolvimento de pessoas com autismo.

Criado em janeiro deste ano, o Natea oferece atendimento multidisciplinar com aplicação de protocolos com evidências científicas. Fonoaudiólogos, psicólogos, terapeutas ocupacionais, musicoterapeutas, arte-terapeutas e pedagogos trabalham em conjunto a partir da análise comportamental da criança.

João Daniel Modesto na oficina de biscoitos

Durante as atividades lúdicas, iniciadas nesta quarta-feira (13), João Daniel Modesto, de sete anos, aproveitou bastante a oficina de biscoitos e foi um dos mais entusiasmados pela atividade. Em atendimento pelo Natea desde a criação do Núcleo, em janeiro deste ano, João tem interagido mais com outras crianças, segundo a mãe, Larissa Modesto.

“Ele tem melhorado desde quando passou a ser atendido do CIIR, há três anos, e isso foi intensificado desde que foi inserido no Natea. Está ótimo e na oficina comeu quase todos os biscoitos”, contou a mãe do paciente.

Durante as atividades no Natea, as crianças estão sendo acompanhadas por monitores do CIIR. No primeiro dia das oficinas, uma equipe de militares da Aeronáutica acompanhou o andamento das atividades e conheceu o serviço ofertado pela Sespa.

Para ser atendido no Núcleo, o paciente com TEA deve ter encaminhamento por uma Unidade Básica de Saúde (UBS), de acordo com o previsto pelo Ministério da Saúde para atendimentos especializados.

Texto: Mozart Lira/Sespa (Com colaboração de Thalita Garcia /CIIR)

Fotos: Ascom/CIIR