Pacientes comemoram alta médica no Hospital Abelardo Santos

Desde que o Hospital Regional Dr. Abelardo Santos (HRAS), no distrito de Icoaraci, em Belém, mudou o seu perfil de especialidades para atender pacientes com a Covid-19 (no 11 de março deste ano), 61 pessoas já tiveram alta médica, saindo da instituição recuperadas da doença. Durante esta semana, o número mais expressivo foi registrado na última terça-feira (23), com a marca de 24 altas de pacientes que ocupavam leitos clínicos e de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), no hospital.

Aos 87 anos, o aposentado João Mendes da Silva saiu vencedor na batalha contra o novo coronavírus. Após uma semana na UTI do Abelardo Santos, o idoso teve alta médica na quinta-feira (26). A despedida calorosa dos profissionais de saúde do hospital, com balões e cartazes nos corredores da unidade, emocionou o aposentado. “Peço a Deus que ilumine toda a equipe maravilhosa que trata muito bem dos seus pacientes. Que Deus abençoe a todos”, agradeceu. Seu João teve alta junto com o encanador industrial, Everaldo Benedito Pinheiro, de 44 anos. “Quero agradecer a Deus e a essa equipe que cuida dos seus pacientes tão bem”, disse.

Também sob muita comemoração da equipe de profissionais de saúde do Abelardo Santos, a bancária Marinete Ojveiros, de 53 anos, recebeu, na última quinta-feira (25), a tão aguardada alta médica. A paciente diagnosticada com a Covid-19, voltou para sua casa, no município de Barcarena, após 13 dias internada no Hospital. “Uma alegria enorme saber que venci a covid-19. Tive o apoio de profissionais que me deram às mãos em um momento delicado”, comemorou.

Desde que o Hospital passou a atender pacientes com a Covid-19, cada alta médica é motivo de alegria e festa nos corredores. Para o secretário de Saúde do Pará, Romulo Rodovalho, a recuperação de cada paciente é uma vitória para toda a equipe de saúde. Ele reforça que o tratamento ainda comporta desafios devido à agressividade da doença. “Ficamos felizes pelos recuperados, mas ainda assim precisamos manter o alerta para que todos se cuidem e evitem a exposição excessiva, pois ainda estamos passando por uma pandemia”, explica, ao reforçar que a população deve reforçar os cuidados de prevenção para a Covid-19, de forma a reduzir a transmissão do vírus no Estado. “Entre as principais medidas de precaução estão: uso de máscaras, distanciamento social e higienização frequente das mãos”, complementa.
“É sempre um motivo de muita alegria para a família HRAS, formada de médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, a alta dos nossos pacientes”, complementa a supervisora de enfermagem Anny Cegovia.

Assistência – Para garantir a ampliação da assistência aos infectados pelo novo coronavírus, no último dia 11, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), transformou leitos de atendimento de especialidades em Covid-19 no HRAS. Até esta sexta-feira (26), o Hospital já está com 170 leitos exclusivos à doença, sendo 85 UTIs e mais 85 leitos clínicos. Em 16 dias, 220 pessoas foram internadas com Covid-19 na instituição.

O coordenador do Serviço de Infectologia e Controle de Infecção Hospitalar do HRAS, o médico Bernardo Maia, explica que, nesta segunda onda da pandemia no Pará, o Abelardo já alcançou marcas de altas médicas, mas o cenário ainda é preocupante. “O Abelardo Santos é referência no enfrentamento à Covid-19. Frente ao aumento do número de casos e internações, aumentamos nossa capacidade de atendimento à doença. O tempo de permanência de internação hospitalar está, em média, em 14 dias. Conseguimos, com empenho e assistência de excelência, números significativos de altas. Mas as admissões de pacientes regulados para o hospital ainda estão aumentando. É momento de conscientização da população. Ficar em casa ajuda o sistema de saúde a salvar mais vidas”, observou.

Total de atendimentos –O HRAS em 2020, realizou 30.588 atendimentos de covid-19 entre as internações e pronto atendimento. Referência nacional no tratamento da doença no norte do Brasil, o Hospital registrou 722 altas médicas no período de 30 de abril a 31 de julho. Nesta segunda onda da pandemia, o Hospital não é “porta aberta” para pacientes com Covid-19, como no ano passado. O atendimento é apenas para pessoas encaminhadas pela Central de Regulação do Estado, provenientes de outras Unidades de Saúde.

“Ainda não conhecemos bem o vírus, mas o que já vivemos, nos trouxe experiências com a doença e certamente, hoje o HRAS está mais preparado para enfrentar a grande demanda provocada pela Covid-19. É importante que a população siga os protocolos e regras estabelecidos pelas autoridades. A doença, agora, atinge muitos jovens e pessoas com comorbidade”, alertou a enfermeira do HRAS Márcia Rodrigues.

No dia 11 de março, o Hospital Abelardo Santos passou a ser administrado pelo Instituto de Saúde Social e Ambiental da Amazônia (ISSAA), organização social genuinamente paraense que está desde o ano passado na administração da Policlínica Metropolitana, na avenida Almirante Barroso, em Belém.

Texto: Secom

Foto: Bruno Cecim/Ag. Pará

Você pode gostar...