Policlínica Itinerante atende mais de 140 pessoas em Salvaterra

A Policlínica Itinerante do Governo do Pará está percorrendo municípios da Ilha do Marajó. Desde o dia 9 deste mês, a ação já passou por Ponta de Pedras, Muaná, São Sebastião da Boa Vista e Cachoeira do Arari, e nesta quarta-feira (17), chegou ao penúltimo destino: Salvaterra. A Escola Estadual de Ensino Médio Salomão Matos serviu como base para a equipe, que atendeu 146 pessoas. Foram 58 testes rápidos e 400 medicamentos entregues à população. Nesta quinta (18), a Poli chega ao município de Soure.

Os profissionais fazem triagem, consultas e exames e, também, entregam medicamentos à a população, com prescrição médica. Um dos moradores que procuraram atendimento nesta quarta-feira foi o pedreiro Claudival Santos, 53 anos, do bairro do Caju. Ele ficou sabendo pelo rádio dos serviços da Policlínica Itinerante e resolveu buscar assistência por ter dúvidas relacionadas à Covid-19.

“Estava com medo, mas resolvi fazer o teste rápido. Deu negativo. Vou voltar para casa mais aliviado. Mesmo assim, é importante manter os cuidados. Os profissionais me orientaram sobre as medidas de distanciamento e uso de máscara, sempre mantendo todos os cuidados”, disse.

Prevenção – A coordenação da Poli Itinerante deve alcançar, em Soure, mais de 2,5 mil atendimentos no Marajó. “É um número considerável, ainda mais em se falando de Marajó. O Governo do Pará tem acertado com medidas preventivas de combate à Covid-19 em todas as regiões do Estado”, afirma a coordenadora, Alessandra Amaral.

O deputado estadual Wanderlan Quaresma visitou a ação de Salvaterra e reforçou o empenho do Governo do Pará frente à pandemia. “Isso mostra a responsabilidade social e atitude imediata do governo estadual no combate à Covid-19. Destaco o atendimento humanizado que vem sendo feito em todas as ações da Policlínica Itinerante. Esse é o diferencial que, sem dúvida, faz a diferença”.

A equipe também entrega máscaras e sopa. Desde o início da semana, passou a distribuir também kits de higiene bucal (creme, escova e fio dental), “por entender que o coronavírus se inicia pelas vias aéreas e pela boca, então é importante fazer a higienização correta da boca. É mais um trabalho preventivo”, finaliza Alessandra Amaral.

Acompanha da filha e do esposo, a autônoma Cristiane Silva procurou assistência porque todos apresentam sintomas da Covid-19. “Fizemos o exame PCR (coleta de secreção) e vamos aguardar o resultado”. Em relação ao atendimento, ela elogiou a rapidez: “Foi tudo muito rápido e os profissionais foram atenciosos com minha família”.

Em todas as ações, a equipe faz o trabalho de orientação e educação da população marajoara sobre a doença. São 32 profissionais da saúde, entre médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, assistentes sociais e farmacêuticos, além de pessoal de apoio.

Texto: Rodrigo Reis/Emater

Fotos: Jader Paes

Você pode gostar...