Profissionais de saúde de Ananindeua recebem capacitação em saúde da criança

Profissionais de saúde de Ananindeua recebem capacitação em saúde da criança

27 de outubro de 2021 Off Por Roberta Vilanova

O evento reúne 27 profissionais de saúde no auditório da Escola Superior Madre Celeste, em Ananindeua

Prossegue até sexta-feira (29), no auditório da Escola Superior Madre Celeste (Esmac), em Ananindeua (Região Metropolitana de Belém), a sétima oficina para capacitação de profissionais de saúde na Estratégia Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância (AIDPI), para qualificar a Atenção à Saúde da Criança no Pará. Desta vez, estão participando 27 profissionais de saúde da Atenção Básica do município.

A AIDPI é uma estratégia elaborada pela Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Organização Mundial da Saúde (OMS) e Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef), em 1996, para reduzir a mortalidade de crianças menores de cinco anos de idade em países subdesenvolvidos, e já está inserida na Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC).

A estratégia se alicerça em três pilares básicos: capacitação de recursos humanos no nível primário de atenção, com a consequente melhoria da qualidade da assistência prestada; reorganização dos serviços de saúde, na perspectiva da AIDPI, e Educação em Saúde, para que haja a participação de todos na identificação, condução e resolução dos problemas de saúde, especialmente nos menores de cinco anos.

Ana Cristina Guzzo, médica pediatra e coordenadora estadual de Saúde da Criança

Segundo Ana Cristina Guzzo, coordenadora estadual de Saúde da Criança, essa estratégia busca a qualificação dos profissionais de saúde da Atenção Primária para que consigam resolver, da melhor maneira, os problemas de saúde apresentados pelas crianças na faixa etária entre dois meses e menores de cinco anos. “Para isso, utiliza uma metodologia que organiza e estrutura a assistência, para que assegure atenção integral e integrada às crianças atendidas nesse primeiro nível de atenção”, explicou.

Equipe já capacitou 142 profissionais de saúde em AIDPI

Conteúdo da oficina – Durante cinco dias, mediante atuação de multiplicadores formados pela Opas, os participantes atuam em dinâmicas envolvendo temas como avaliação e classificação da criança doente de dois meses a menores de cinco anos com diarreia, febre, problema no ouvido, garganta, tosse ou dificuldade para respirar; avaliação e classificação da desnutrição, anemia, problemas de crescimento; prática em ambulatório e/ou Unidade Básica de Saúde; aconselhamento da mãe ou cuidador; consulta de retorno; vigilância do desenvolvimento, além de violência contra criança. No final, é aplicado um teste, que avalia as aquisições do profissional no curso.

Até o momento, já foram capacitados 30 profissionais em Altamira; 30 em Bragança; 14 em Pacajá; oito em Anapu; 30 profissionais em Breves e 30 em Itaituba, totalizando 142 profissionais capacitados em AIDPI Criança.

Texto: Roberta Vilanova/Sespa
Fotos: Divulgação