Segurança Pública atua na logística e escolta de vacinas no Pará

Antes mesmo da aeronave pousar em Belém, uma força-tarefa entre profissionais de saúde e segurança pública já havia estruturado o plano de distribuição das 173.240 doses da vacina CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantã (São Paulo), que chegaram ao Estado por volta de 23h de segunda-feira (18). Coordenado pela Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), o trabalho é feito pelo meio terrestre, aéreo e fluvial, realizando o transporte e a escolta das vacinas. Ao todo, 1.200 agentes estão envolvidos na operacionalização.

Pelo ar, o Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp) realizou os dois primeiros voos que ocorreram às 3h da manhã desta terça-feira (19), com destino a Marabá e Conceição do Araguaia, transportando mais de 15 mil doses.

Ao longo do dia, as oito rotas restantes estão sendo realizadas, a fim de atender a todos os Centros Regionais de Saúde da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), levando o imunizante para localidades mais distantes, como a região do Marajó, Oriximiná, Santarém, Altamira, Prainha, Monte Alegre e Cametá, por exemplo. Ao todo foram montados 10 planos de voo que utilizarão oito aeronaves, sendo cinco aviões de asa fixa e três aeronaves de asas rotativas. A Polícia Militar fará a escolta, em duas viaturas, para cada veículo da pasta de Saúde que estarão com as vacinas.

As vacinas serão conduzidas até os CRS da Sespa, localizados nas principais cidades do Estado, e cada Prefeitura será responsável pelo deslocamento e aplicação dos imunizantes. Nos locais onde geograficamente os acessos são feitos pelos rios, o Grupamento Fluvial de Segurança Pública (Gflu) contribuirá para levar os isopores contendo as vacinas até as comunidades ribeirinhas.

“Durante toda a pandemia, a Segurança Pública vem trabalhando intensamente para dar apoio. Não só mantendo a segurança, mas também atuamos na parte de logística de escolta e de cumprimento ao decreto do Estado. Neste processo de vacinação, um dia tão esperado por todos nós, as forças de segurança estão integradas para trabalhar na escolta, segurança, transporte de vacina e garantia de que o cumprimento do plano de vacinação do Estado será mantido”, informou o secretário de Segurança Pública e Defesa Social do Pará, Ualame Machado.

Segundo o titular da Segup, toda a estrutura de segurança pública estará disponível e sendo empregada. “Nós estaremos atuando com todas as aeronaves do Graesp, cerca de dez, para levar as vacinas a todos os municípios do estado do Pará, além do Grupamento Fluvial. As polícias estão atuando de forma integrada na escolta, no apoio logístico e também na segurança, para que a população paraense tenha, o mais rápido possível, acesso a vacina. As ações ocorrem de forma integrada com os demais órgãos, em especial com a Sespa, para que a gente possa levar a vacina por todo o Pará”, acrescentou Ualame Machado.

Vacinação – Na primeira fase, serão vacinados os trabalhadores da saúde, pessoas com mais de 60 anos que vivem em instituições de longa permanência e indígenas aldeados (ou seja, que residam em áreas indígenas). Na segunda fase, serão imunizados os profissionais da Segurança Pública na ativa, idosos de 60 a 79 anos de idade, em seguida idosos a partir de 80 anos e povos e comunidades tradicionais quilombolas. Na terceira fase, serão vacinados os indivíduos que possuam comorbidades. A quarta fase inicia pelos trabalhadores da educação, seguidos de profissionais das Forças Armadas, funcionários do sistema de privação de liberdade e da população privada de liberdade.

Texto: Aline Saavedra/Segup

Foto: Pedro Guerreiro

Você pode gostar...