Sejudh e entidades discutem formação de profissionais de saúde para atender população LGBTI+

A reunião virtual discutiu mais um passo na garantia de direitos à população LGBTI+

Nesta sexta-feira (12), a Gerência de Proteção à Livre Orientação Sexual (Glos), vinculada à Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), em reunião com diversas entidades ligadas às demandas do segmento LGBTI+, discutiu o atendimento às pessoas, a formação dos profissionais e o fortalecimento de políticas públicas voltadas a esse público. O encontro virtual foi dirigido pelo coordenador da Glos, Raffael Carmo.

No primeiro encontro, com a Coordenadoria da Diversidade Sexual de Belém, o objetivo foi traçar estratégias para uma futura formação de profissionais da área de saúde e terceirizados que atuam na Atenção Básica na capital, visando ao melhor atendimento e acolhimento das demandas de saúde da população LGBTI+, sobretudo para facilitar o fluxo de encaminhamento das Unidades Básicas de Saúde para o Ambulatório de Transgêneros, do Hospital Jean Bitar, unidade da rede pública estadual de saúde, que realiza o processo transexualizador, destinado à população trans e travestis, após a assistência de equipe multidisciplinar na Unidade de Referência Especializada em Doenças Infecciosas e Parasitárias Especiais (Uredipe).

A segunda reunião foi com os representantes dos coletivos LesbiTrans, de Altamira, na região Oeste, Sapato Preto e Comunema. O gestor Raffael Carmo se colocou à disposição das entidades e apresentou os serviços os da Sejudh, notadamente os realizados pela Glos. “Também escutamos as demandas e estratégias de fortalecimento das políticas públicas para os demais municípios que não fazem parte da Região Metropolitana Belém”, ressaltou.

A Gerência de Proteção à Livre Orientação Sexual tem suas diretrizes e ações no âmbito da política de proteção e defesa de direitos da população LGBTI+ no Pará. Ao lado da defesa de outros grupos vulneráveis, como mulheres, pessoas idosas, indígenas, crianças e adolescentes, populações de matriz africana e outros, a Sejudh atua com a Gerência principalmente na interlocução das políticas públicas transversais para o enfrentamento da LGBTIfobia e à promoção dos instrumentos de acesso à cidadania e garantia de todos os direitos.

Texto:  Gerlando Klinger/Sejudh

Você pode gostar...