Serviço de psicologia do CIIR contribui com a promoção da saúde mental de usuários e familiares

Kethleen Polyana Santana Nunes, usuária do CIIR

As campanhas de educação em saúde associam cores aos meses como forma de engajar pessoas em torno de temas que merecem atenção da sociedade e mudança de comportamento da população, tendo em vista o foco na prevenção e tratamento de doenças. Uma delas é o “Janeiro Branco”, que convida as pessoas a refletirem sobre a saúde mental.

“Nesse momento delicado que todos estamos passando, com a pandemia da Covid-19, faz-se necessário uma mudança de comportamento e pensamentos em vários níveis da nossa sociedade, onde este debate em torno do tema é real e urgente”, diz a psicóloga de Reabilitação do Centro Integrado de Inclusão e Reabilitação (CIIR), Carla Andreza.

A profissional informa que, com a necessidade de isolamento social, o serviço de psicologia do Centro vem trabalhando em psicoeducação, para que os usuários e seus familiares passem a ter consciência de suas emoções e saibam como identificar os problemas psicológicos, de forma a se prevenir e evitar que se tornem algo mais grave no futuro.

“Observamos que com esse olhar mais atento às questões emocionais, os usuários, bem como seus familiares, passaram a procurar de forma mais recorrente ajuda junto aos profissionais psicólogos”, destaca.

No CIIR, os atendimentos são centrados nos usuários, porém é fornecido apoio psicológico ao familiar, na medida em que se observa que tais fatores estão interferindo no processo de reabilitação. As demandas familiares são acolhidas, buscando-se ampliar as possibilidades de desenvolvimento do usuário no contexto familiar, fortalecendo as relações internas e com a sociedade.

“Ao observarmos urgência e o nível de sofrimento deste familiar, eles são encaminhados ao psiquiatra para uma avaliação mais específica e, se após esses atendimentos for observada a necessidade de um acompanhamento sistemático, esse familiar é encaminhado ao atendimento da assistente social que fará os direcionamentos necessários para serviços especializados dentro da rede pública de saúde, visto que o CIIR é um Centro que tem por objetivo assistir os usuários em seu processo de reabilitação física, visual, auditiva ou intelectual”, ressalta a psicóloga.

Maria Ceres Nunes, avó de Kethleen Polyana

Maria Ceres Nunes, avó da usuária Kethleen Polyana Santana Nunes, é uma das pessoas que já foram beneficiadas pelo Serviço de Psicologia do CIIR. Em função da pandemia, a acompanhante apresentou crises de ansiedade e foi tratada pelo Serviço, disponível também para familiares, quando constatada a necessidade do atendimento.

“Foi muito bom saber que eu posso também contar com a equipe de psicólogos do CIIR. Na hora que eu precisei, fui atendida e só tenho a agradecer por ter sido acompanhada por profissionais tão competentes e comprometidos em oferecer um bom atendimento. Nós que lidamos com situações difíceis ocasionadas pela deficiência, também podemos precisar desse suporte. Eu precisei e fui muito bem atendida, assim como minha Poliana sempre foi. Sou muito grata por tudo que o CIIR fez e ainda faz por mim e pela Polyana. O Centro é realmente um lugar muito especial”, reconheceu a acompanhante.

Uma outra iniciativa do CIIR que visa, entre outros fatores, a promoção da saúde dos colaboradores, é o programa de qualidade de vida do colaborador, como forma de promover e buscar estratégias para estimular a saúde de suas equipes com programas para atender as necessidades de cada um. Assim, a instituição oferece um ambiente seguro atuando em prol, não apenas da saúde mental de seus colaboradores, mas também na saúde física e bem-estar geral.

Serviço de psicologia – O serviço de psicologia do CIIR faz parte do atendimento multiprofissional nos quatro tipos de reabilitações realizadas pelo Centro (fisica, visual, auditiva e intelectual), auxiliando no processo de habilitação e reabilitação, favorecendo o desenvolvimento, com ênfase no aprimoramento das potencialidades como forma de (re)inserção social e a busca por autonomia, com objetivos pautados a partir das necessidades singulares de cada indivíduo, considerando fatores clínicos, emocionais, ambientais e sociais, bem como o impacto da deficiência sobre sua vida.

Segundo Carla Andreza, observa-se a necessidade de discussão sobre saúde mental dentro de um Centro de Reabilitação com os usuários do serviço e seus acompanhantes. “Muitas vezes, os usuários acreditam que todos os problemas vividos fazem parte das dificuldades que a deficiência acarreta, quando na verdade, podem estar emocionalmente adoecidos e precisando de ajuda”, relata.

Janeiro Branco – A equipe de psicologia promoveu, nesta quinta-feira (28), rodas de conversas, atividades e palestras sobre o tema saúde mental, para discussão desse assunto entre usuários, acompanhantes e colaboradores, reforçando também a importância da prevenção e da procura por profissionais especializados diante do desconforto e do sofrimento antes que esses sinais se tornem doença.

“Os colaboradores do Centro foram convidados a fazer parte dessas ações, visto que a saúde mental no ambiente de trabalho é de grande importância para garantir a satisfação, a saúde e o bem-estar dessas pessoas fundamentais em todo esse processo”, reconhece a psicóloga.

Texto: Joelza Silva/HJB

Fotos: Ascom/HJB

Você pode gostar...