Sespa alerta sobre importância do Teste do Pezinho

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) aproveita a comemoração do Dia Nacional do Teste do Pezinho, transcorrido no último dia 6 de junho, para informar às famílias que o Programa de Triagem Neonatal (PNT/Teste do Pezinho) continua funcionando normalmente no Sistema Único de Saúde (SUS) durante a pandemia de Covid-19. O importante é manter as medidas preventivas contra o novo coronavírus e não deixar os recém-nascidos sem fazer os exames que detectam até quatro doenças congênitas.

No Pará, a referência do Programa de Triagem Neonatal funciona Unidade de Referência Materno Infantil e Adolescente (Uremia) e os exames das amostras coletadas em todos os municípios paraenses são realizados pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-PA).

Segundo a coordenadora estadual de Saúde da Criança, Ana Cristina Guzzo, apesar de o Pará já estar habilitado na Fase IV do PTN, ainda realiza apenas a Fase III, que abrange análises para o diagnóstico da Fenilcetonúria, Hipotireoidismo Congênito, Doenças Falciformes, outras Hemoglobinopatias e Fibrose Cística. “Então, todas as crianças que são diagnosticadas com uma dessas doenças terão o acompanhamento na Uremia, evitando todas as sequelas e dificuldades que podem advir de doenças como essas”, afirmou.

A Fase IV, que prevê o diagnóstico da Deficiência da Biotinidase (DB) e da Hiperplasia Adrenal Congênita (HAC), seria implantada no primeiro semestre deste ano, no entanto, em função da pandemia de Covid-19, deverá ser inserida até o fim do ano.

Ana Cristina Guzzo ressaltou que a coleta do sangue do bebê tem que ser feita entre o terceiro e quinto dia de vida, para que a amostra seja adequada. “Quanto mais cedo melhor, porém, não pode ser feita antes de 48 horas do nascimento do bebê, porque é necessário que ele se alimente e metabolize o alimento”, explicou.

A amostra é coletada numa folha de papel filtro nas maternidades e unidades de saúde e encaminhada ao Lacen-PA para realizar o exame laboratorial, cujo resultado sai em 20 dias. Quando o resultado do Teste do Pezinho apresenta alguma alteração é solicitada uma segunda amostra ao município, para comprovação. Se der normal, o resultado é liberado. Mas caso a alteração permaneça, os responsáveis pela criança são informados, e a criança é encaminhada para o tratamento no Serviço de Referência de Triagem Neonatal da Uremia.

Além das maternidades e unidades básicas de saúde, a coleta de amostra de sangue pode ser feita na Uremia às segundas, terças e quintas-feiras, das 7h30 às 11h. Os horários ainda estão reduzidos em função da pandemia.

Saiba mais – O hipotireoidismo congênito é uma doença hereditária que impossibilita a glândula tireóide do recém-nascido de gerar o hormônio tireoidiano T4. Em crianças pequenas esse hormônio é fundamental, e a ausência dele diminui o metabolismo, impedindo o crescimento e o desenvolvimento físico e mental.

A pessoa com fenilcetonúria nasce sem a capacidade de quebrar adequadamente moléculas do aminoácido fenilalanina. A doença prejudica a atividade da enzima que processa fenilalanina em tirosina.

A doença falciforme é caracterizada pela alteração dos glóbulos vermelhos do sangue, tornando-os parecidos com uma foice, daí o nome falciforme. Essas células têm sua membrana alterada e rompem-se mais facilmente, causando anemia.

A fibrose cística ou mucoviscidose se caracteriza pelo acúmulo de secreções mais densas e pegajosas nos pulmões, no trato digestivo e em outras áreas do corpo.

Serviço: A Uremia fica na Av. Alcindo Cacela  Nº 1421 esquina com Av. Gov. José Malcher, telefone (91) 3226-1931/3246-6126/3246-7692

Texto: Roberta Vilanova/Sespa

Fotos: José Pantoja

Você pode gostar...