Sespa lança manual com orientações para alimentação por sonda em domicílio

Sespa lança manual com orientações para alimentação por sonda em domicílio

17 de setembro de 2021 Off Por Roberta Vilanova

O Manual é inédito no Pará e pode ser acessado pelo celular

A Coordenação Estadual de Nutrição, da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), lança o Manual de Cuidados na Terapia Nutricional Enteral em Domicílio direcionado a pacientes que tiveram alta hospitalar e permanecem se alimentando por sonda em casa. O documento não exclui a orientação profissional, porém possui uma série de instruções e orientações, servindo de complemento para que a administração terapêutica seja feita da forma correta e sem riscos de contaminação.

Walkíria de Moraes, que está à frente da coordenação estadual, explica que o Manual é inédito no Pará, e preenche uma lacuna há muito tempo percebida pela Saúde Pública, que fornece fórmula nutricional em alguns municípios para pacientes que dependem da alimentação enteral. “Começamos a observar a necessidade de criar um material para que os profissionais de Nutrição da Atenção Primária pudessem fornecer a esses usuários, que carecem de cuidados especiais”, informa.

A

Walkiria Moraes, responsável pela Coordenação Estadual de Nutrição

alimentação por sonda no nariz ou ostomizada diretamente no estômago ou intestino do paciente é necessária quando, por alguma condição, ele não consegue obter pela via oral o mínimo de nutrientes diários necessários. “Eles recebem inicialmente a terapia em âmbito hospitalar, e quando vão para casa precisam adquirir essa dieta especial. Então, saem com orientações para a produção de uma dieta artesanal ou caseira, constante do Manual, ou industrializada, que é considerada de alto custo”, ressalta a gestora.

Ainda segundo Walkíria de Moraes, o documento vai sanar muitas dúvidas de usuários e seus familiares. “Diminuindo o risco de contaminação, a alimentação é melhor administrada e evita consequências desagradáveis, como vômitos e diarreia. Ajuda, ainda, a entender a melhor maneira de administrar medicamentos que podem interferir na absorção de alguns nutrientes. É válido reforçar que nada disso substitui a necessidade de acompanhamento profissional. O Manual é, na verdade, uma complementação, para que o paciente permaneça assistido em casa”, acrescenta.

Texto: Carol Menezes/Secom
Foto: Divulgação