Sespa notifica mais de 2 mil passageiros em barreira sanitária no Aeroporto de Belém

Mais de 100 profissionais da Sespa atuam nos horários de desembarque de passageiros no Aeroporto Internacional de Belém

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), por meio do Departamento de Vigilância Sanitária (Visa Estadual), já notificou 2.403 passageiros oriundos de Manaus (AM) e da região Oeste do Pará, na operação de barreira sanitária no Aeroporto Internacional de Belém, até a tarde desta quarta-feira (17). A operação iniciou no dia 5 de fevereiro e deve prosseguir até 06 de março.

Segundo a diretora da Visa Estadual, Milvea Carneiro, o objetivo da medida sanitária é impedir a proliferação da nova variante do coronavírus em território paraense.

“A ação foi necessária devido à confirmação da nova variante no Estado do Pará, a mesma que circula no Amazonas. Portanto, todos os passageiros dessas regiões que desembarcarem em Belém são orientados a cumprir o isolamento social por 14 dias, tendo ou não sintomas, em endereço fixo e informado no termo de notificação”, explicou a diretora.

O trabalho da Sespa é ininterrupto durante nos horários de desembarque de passageiros. Cinquenta e oito profissionais da Vigilância Sanitária estão se revezando para fazer a barreira sanitária.

Todos os passageiros oriundos do Amazonas e da região do Baixo Amazonas estão sendo entrevistados pelas equipes da Sespa, para esclarecer se tiveram contato prévio com pessoas suspeitas e/ou doentes de Covid-19, e se apresentaram sintomas nos últimos sete dias, como tosse, dificuldade para respirar, congestão nasal ou conjuntival, dificuldade para deglutir, dor de garganta, coriza, saturação de oxigênio menor que 95, temperatura acima de 37,5º C, dor abdominal, diarreia, enjoo e vômito.

Do total de 2.403 passageiros notificados, dois apresentavam sintomas de Covid-19 e 36 tiveram contato com pessoas infectadas pelo novo coronavírus.

Orientação – Os passageiros estão sendo orientados a usar máscaras no deslocamento até o endereço informado no inquérito. Caso tenha sintomas ou piora do estado geral, o passageiro deve procurar assistência em unidade de saúde. Se o viajante apresentar sintomas ainda no aeroporto, deverá ser encaminhado diretamente à unidade de assistência à saúde. Os técnicos da Sespa monitoram as condições de saúde dos passageiros que desembarcam em Belém.

A barreira sanitária também está sendo realizada em portos e no Aeroporto de Santarém, no Oeste, com a coordenação da Vigilância Sanitária Municipal.

Nota técnica – A Sespa, por meio da Diretoria de Vigilância em Saúde (DVS), emitiu no último dia 5 de fevereiro uma nota técnica com recomendações para ações de prevenção em portos e aeroportos do Pará, indicadas a passageiros oriundos de Manaus e da região Oeste do Estado.

A medida foi necessária após a confirmação de dois casos da variante do novo coronavírus, identificados pelo Instituto Evandro Chagas no município de Santarém, no último dia 29 de janeiro. A variante, que circula no Amazonas, foi apontada como uma das razões para o colapso no sistema de saúde do estado vizinho. O objetivo dessas medidas sanitárias é garantir a preservação de vidas, impedindo o avanço da Covid-19 em território paraense.

De acordo com a nota técnica, a recomendação é que a população evite viajar ao Oeste do Pará, cujos 15 municípios estão em lockdown. Mas se precisar viajar, antes da viagem é aconselhável que passageiros e tripulantes observem possíveis sinais e sintomas da Covid-19. Caso apresentem sintomas leves, devem cumprir isolamento domiciliar por 14 dias, não devendo viajar. Se o quadro evoluir para febre, tosse ou falta de ar, devem procurar a unidade de saúde mais próxima.

Serviço: O questionário destinado ao passageiro já pode ser preenchido no decorrer da viagem, antes do desembarque em Belém, e está disponível neste link. (https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScl4mcGi4SN36Ad7_yaCAFAumBVNT_8L7aKEHXheoFIYdSHxQ/viewform)

Acesse aqui a nota técnica emitida pela Sespa. (http://www.saude.pa.gov.br/institucional/gabinete-do-secretario-de-saude/nota-tecnica/)

Texto: Melina Marcelino

Você pode gostar...