Ações do Estado promovem conscientização e inclusão de pessoas com autismo

Adolescente canta no I TEAlentos, em Belém. O evento mostrou a capacidade e as competências da pessoa com espectro autista

Conscientização e inclusão. Esses são os dois objetivos buscados em todas as ações realizadas pelo Governo do Estado, neste Abril Azul, campanha voltada à disseminação de informações sobre o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Entre os eventos promovidos pela Coordenação Estadual de Políticas para o Autismo (Cepa), o I Pará ConTEA e o Festival TEAlentos marcaram a história do Estado, e obtiveram ótimos resultados na luta contra o preconceito.

“Apesar de estarmos em uma pandemia, conseguimos levar informação de qualidade, propagar o autismo através das práticas baseadas em evidências científicas, valorizar as habilidades das pessoas com autismo e gerar exemplo dentro do Governo do Estado para a inclusão de pessoas com autismo. O mês foi extremamente produtivo”, ressalta a coordenadora de Políticas Públicas para o Autismo do Estado do Pará, Nayara Barbalho.

I Pará ConTEA – Com mais de 8,3 mil inscritos e cerca de 12 mil visualizações em cada dia, o I Congresso sobre Transtorno do Espectro Autista – Pará ConTEA – foi realizado de forma virtual e proporcionou o intercâmbio científico em diferentes áreas como saúde, educação, trabalho, assistência social e direitos. Por dois dias, 23 e 24 de abril, convidados nacionais e de fora do país realizaram palestras sobre a temática.

A psicóloga e doutoranda em análise de comportamento aplicada ao autismo, Flávia Neves, foi uma das palestrantes do Congresso. Ela coordena um serviço especializado a crianças de até 12 anos com TEA na rede pública de saúde em São Luís, no Maranhão, e compartilhou sua experiência na área de pesquisa e intervenção, iniciada há mais de 10 anos.

“Discutir sobre o autismo e disseminar informações importantes, reunindo profissionais de renome, é fundamental para que as famílias e os profissionais entendam como é o panorama de serviços em outros lugares, as novidades em termos de trabalhos e tecnologias mais eficazes para trabalhar com as pessoas com TEA. Eu me sinto muito honrada em ter participado da primeira edição do evento”, ressalta a psicóloga Flávia Neves.

O educador físico do Núcleo de Atenção ao Transtorno do Espectro Autista (Natea), Renan Barbosa, também participou do evento. Há cinco meses, ele trabalha diretamente com crianças autistas e acredita que todos deveriam participar do Pará ConTEA, por conta das valiosas informações compartilhadas.

“A maioria das coisas que aprendi sobre o TEA foram nas ações realizadas pela Coordenação Estadual de Políticas para o Autismo. Temas foram debatidos em uma linguagem super acessível. Esse evento, sem dúvida, reforçou o trabalho desenvolvido no Estado como modelo de referência nacional”, assegura Renan Barbosa.

TEAlentos – Nos dias 17 e 18 de abril, o Festival TEAlentos reuniu 31 apresentações artísticas de música, dança, teatro, poesia e artes visuais; e possibilitou um novo espaço artístico e cultural para que pessoas com TEA pudessem mostrar seus talentos. O evento foi realizado em parceria com as Secretarias de Cultura e Comunicação do Estado (Secult e Secom) e o Sebrae.

Clique aqui e confira as apresentações. E já está sendo planejada a segunda edição.

Mais ações – Logo no primeiro dia do mês de conscientização foram entregues 200 Carteiras de Identificação da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista (Ciptea). Nesta sexta-feira (30), foi realizada a entrega de lotes de Carteiras em Parauapebas e Marabá, no sudeste do estado, onde também foram articuladas políticas de conscientização e assistência ao autismo na região em parceria com a Secretaria Regional do Sul e Sudeste do Pará.

No dia 5 de abril, o governador Helder Barbalho oficializou a inclusão do símbolo do TEA em placas de prioridade em locais que forneçam atendimento aberto ao público, a princípio, nas 60 secretarias do Estado. Os 12 times de futebol do Campeonato Paraense passaram a usar o símbolo do autismo no uniforme.

Um workshop sobre Direitos e Rede de Atendimento da Pessoa com TEA foi realizado, no dia 9 de abril, em parceria com a Defensoria Pública do Estado (DPE).

No final do mês, a lei n° 9.262, de 22 de abril de 2021, instituiu o Estatuto da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista no Estado do Pará (LEI) para ampliar a conscientização dos direitos de pessoas com TEA. Foi desenvolvida também durante o Abril Azul a Cartilha “Saúde Bucal das Pessoas com Autismo”, em parceria com a Coordenação Estadual de Saúde Bucal.

Por dois dias, o Festival TEAlentos reuniu 31 apresentações artísticas de música, dança, teatro, poesia e artes visuais

Ações articuladas – A Secretaria de Estado de Educação (Seduc), por meio da Coordenação de Educação Especial (Coees), atua com o Núcleo de Atendimento Educacional Especializado ao Transtorno do Espectro de Autismo (Natee) que, atualmente, atende a 98 estudantes matriculados na unidade.

A articulação de políticas para visibilizar questões relacionadas ao autismo, como forma de mobilizar e conscientizar a sociedade sobre o tema é realizada pela Secretaria de Justiça e Direitos Humanos do Pará (Sejudh), por meio da Gerência de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (GPDPcD).

No Abril Azul, as ações, que ocorrem continuamente nos outros meses do ano, foram intensificadas. Conheça as políticas públicas desenvolvidas pelo Governo do Estado.

Texto: Giovanna Abreu/Secom
Fotos: Alex Ribeiro/Ag. Pará

Você pode gostar...