CIIR confecciona e entrega a pacientes próteses oculares personalizadas

Profissionais do CIIR também acompanham todo o uso das próteses pelos pacientes

Maria de Nazaré Silva, 46 anos, foi diagnosticada com glaucoma aos 4 anos de idade e perdeu totalmente a visão aos 9, após uma infecção em decorrência de cirurgia. Ela utilizava um par de próteses pré-fabricadas, mas que traziam desconforto, além de deixar um olho parcialmente fechado.

Sua vida iniciou uma nova fase quando ela recebeu as novas próteses confeccionadas, de forma personalizada, no Centro Integrado de Inclusão e Reabilitação (CIIR), em Belém. “Ficou do jeito que eu sempre quis. Falava para o médico que já sou deficiente e queria muito ter uma qualidade de vida com saúde, porque as outras me traziam muitos problemas, e queria melhorar a estética, porque eu sou um pouco vaidosa. Ele se propôs a me ajudar, e realmente cumpriu com a palavra dele. Estou muito feliz”, afirmou.

As próteses disponíveis no mercado custam, em média, R$ 1.500,00. Maria de Nazaré Silva é a quarta paciente beneficiada pelo serviço do CIIR, que oferece atendimento de forma gratuita e integral, incluindo avaliação, moldagem, confecção em laboratório; instalação e acompanhamento do uso pelo paciente, com reavaliação de necessidade de substituição, se necessário.

Maria de Nazaré recebeu um par de próteses com simulação de íris azuis, a parte colorida do olho. O trabalho realizado no CIIR inclui até a pintura da esclera (parte branca do olho) com veias, considerando o biotipo de cada paciente.

“Nas próteses antigas dela, um olho ficava praticamente fechado e o outro não ficava tão confortável por ser uma prótese de estoque. E agora os olhos ficam bem mais abertos”, avaliou Marcelo Carneiro, cirurgião-dentista e especialista em prótese bucomaxilofacial do CIIR. Ele está à frente da produção, que já beneficiou quatro pacientes.

Instruções – Marcelo Carneiro explicou que a cavidade anoftálmica (espaço sem o globo ocular) precisa estar em condições de receber as próteses. Essa avaliação é feita pelo oftalmologista. “A prótese ocular fica encaixada embaixo da pálpebra do paciente. Após a entrega, ele recebe um manual com instruções de higienização e manipulação da prótese, que vai também com uma ventosa para auxiliá-lo na inserção e remoção da cavidade”, disse o especialista.

As próteses oculares são moldadas de acordo com a medida exata da cavidade anoftálmica de cada paciente. O Centro conta, desde o início de 2020, com impressoras 3D, que facilitam o planejamento da confecção e oferecem maior precisão.

Os usuários podem ter acesso aos serviços por meio de encaminhamento das Unidades de Saúde, regulados pela Central de Regulação de cada município, que por sua vez encaminham à regulação estadual, onde o pedido é analisado conforme o perfil do usuário, por meio do Sistema de Regulação (Sisreg). É importante ressaltar que não há atendimento espontâneo ou qualquer tipo de inscrição ou cadastramento no CIIR.

O Centro Integrado de Inclusão e Reabilitação fica na Rodovia Arthur Bernardes, nº 1.000. Mais informações: (91) 4042-2158.

Texto: Dayane Baía/Secom

Foto: Ricardo Amanajás/Ag. Pará

Você pode gostar...