Governo estadual já transferiu 264 pacientes com Covid-19 na região oeste

O Estado providenciou insumos, como 500 cilindros de oxigênio

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) já transferiu 264 pacientes com Covid-19 entre os dias 18 de janeiro e 5 de março. Essa é uma estratégia para conter o avanço da doença em 14 municípios da região Oeste, a mais afetada nesta segunda onda da pandemia. Do total de remoções, 250 ocorreram por via aérea e 14 por via fluvial. Todas as transferências foram realizadas exclusivamente pela Central de Regulação da Sespa.

As remoções partiram de municípios do extremo Oeste, como Faro, Terra Santa, Oriximiná e Aveiro para o Hospital 9 de Abril na Providência de Deus, em Juruti, e para os hospitais públicos regionais do Baixo Amazonas, em Santarém, e do Tapajós, em Itaituba. Além das transferências, o Estado providenciou insumos, como 500 cilindros de oxigênio e 287.751 equipamentos de proteção individual (EPIs).

De forma simultânea às remoções, a Sespa mantém a articulação constante com as secretarias municipais de saúde, orientando e auxiliando sobre como continuar agindo para conter a crise provocada pela segunda onda de contágio pelo novo coronavírus. As medidas tomadas e as transferências realizadas pelo governo estadual são estratégias para evitar um colapso no sistema de saúde dos municípios mais próximos ao estado do Amazonas.

“O governo do Estado, por meio da Sespa, continua fazendo o monitoramento diário da região, levando suporte aos municípios e atendendo à necessidade de insumos e de remoções, até que a situação se estabilize”, informa o secretário estadual de Saúde, Rômulo Rodovalho, reforçando que vem sendo garantida rápida assistência a pacientes mais graves, transferidos de acordo com as possibilidades climáticas da região.

As remoções ajudam a estabilizar o sistema de saúde no oeste estadual

Hospital de Campanha – O governo entregou em fevereiro o Hospital de Campanha de Santarém. A unidade, montada na Escola Estadual Maria Uchoa Martins, no bairro Floresta, a 800 metros do Hospital Regional do Baixo Amazonas, tem 60 leitos clínicos, sete enfermarias – cada uma com sete leitos -; uma enfermaria com 16 leitos; uma sala de estabilização, com quatro leitos; posto de enfermagem; farmácia; almoxarifado; estar médico e de enfermagem; uma sala do Núcleo Interno de Regulação; necrotério; sala de paramentação; refeitório; cozinha; administrativo; vestiários femininos e masculinos; descanso equipe; faturamento; departamento pessoal; expurgo; psicossocial e resíduos.

A medida desafoga a disponibilidade de leitos clínicos nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e no Hospital Regional do Baixo Amazonas, contribuindo para estabilizar o sistema de saúde da região.

 

Texto: Caroliny Pinho/Sespa

Fotos: Pedro Guerreiro/Ag.Pará

Você pode gostar...