Hospital Metropolitano orienta sobre práticas que podem ser adotadas em casa no descarte de materiais

É importante que os papéis sejam descartados em um recipiente diferente dos de lixo orgânico

Uma das formas mais simples de contribuir com o meio ambiente é o descarte correto do lixo. O assunto é tema do Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE) todos os anos, principalmente na data em que se comemora o Dia Internacional da Reciclagem, em 17 de maio. A data foi criada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência, e a Cultura (Unesco) com o objetivo de estimular a reflexão sobre o descarte correto dos itens que consumimos.

No HMUE, a unidade localizada em Ananindeua, na Região Metropolitana de Belém, são desenvolvidos projetos para o melhor aproveitamento dos materiais descartados. No ano passado, o hospital atingiu a marca de 13% de reciclagem do volume total de resíduos gerados. A taxa está bem acima da média nacional de 4%, definida pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais.

Em comemoração ao Dia Internacional da Reciclagem, o hospital criou ações envolvendo conversas com os colaboradores e pacientes sobre o assunto, com a finalidade de criar reflexão sobre as questões ambientais e os impactos que um consumo inconsciente gera ao planeta.

“O incentivo que todos recebem, quanto à prática do desenvolvimento sustentável é muito importante, pois planta a sementinha do cuidado com o meio ambiente, nos pacientes e na sociedade. Com isso, já podemos perceber grandes resultados”, enfatizou a analista de sustentabilidade do Metropolitano, Amanda Mitoso.

A cultura de sustentabilidade mencionada por Amanda abrange questões ambientais e sociais. Atualmente, os projetos de reciclagem do HMUE contribuem para a geração de renda de mais de 50 famílias paraenses.

Desde 2018, a Associação de Catadores da Coleta Seletiva de Belém (ACCSB) coleta resíduos como papelão, plástico, alumínio e outros itens recicláveis.

O Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência é uma especializada no atendimento de traumas e referência para mais de 60 munícipios.

Praticando em casa – Segundo Amanda Mitoso, algumas dicas simples podem ajudar no descarte correto de materiais. A especialista destaca algumas das orientações que podem ser realizadas em casa. Confira:

• Utilize uma lata específica para lixo orgânico (sobra de alimentos) e outra para resíduos secos (embalagens plásticas, vidro, metais etc.);

• Lave e seque as embalagens que antes continham alimentos, pois evita ratos e insetos, além de facilitar no trabalho das pessoas que vão manusear esses materiais posteriormente;

• Amasse as garrafas PET e latinhas, isso diminuirá o volume e fará com que a lata de resíduos secos comporte mais materiais;

• É importante que os papéis sejam descartados em um recipiente diferente dos de lixo orgânico e secos. De preferência, o mais inteligente é rasgá-los em pedaços para empilhá-los;

• Embalagens de metal ou vidro de extrato de tomate, leite condensado, entre outros, podem virar utensílios como porta canetas e outros objetos, basta ousar na criatividade;

• Vai jogar a toalha velha no lixo? Aproveite o item para usar como pano de chão.

Texto: Diego Monteiro/HMUE

Foto: Ascom/HMUE

Você pode gostar...