Hospital Regional do Tapajós já realizou mais de 500 cirurgias ortopédicas em cinco meses

Com o atendimento ampliado em traumatologia pelo regime porta aberta, o Hospital Regional do Tapajós (HRT), em Itaituba, sudoeste do Pará, acaba de alcançar a marca de 503 procedimentos cirúrgicos ortopédicos realizados na unidade. Trata-se de feito histórico para a região e ao HRT, que desde o dia 18 de janeiro deste ano tem atendido, sem encaminhamento, pacientes politraumatizados oriundos dos municípios de Itaituba, Trairão, Aveiro, Novo Progresso, Jacareacanga e Rurópolis para urgência e emergência.

Para o secretário de Saúde do Pará, Romulo Rodovalho, o quantitativo de cirurgias vai ao encontro das estratégias do governo estadual. “Isso foi um compromisso que assumimos com a população da região, desde a abertura do hospital para ser referência no atendimento da Covid, passando pela ampliação de atendimentos em traumatologia pelo regime porta aberta e até as melhorias que ainda ocorrem nos atendimentos ambulatoriais. Nosso objetivo é prosseguir na desburocratização ao acesso dos pacientes para que sejam logo atendidos”, informa o titular da Sespa.

A Unidade foi entregue em julho de 2020, para combater os casos de Covid-19 na região, com atendimento exclusivo de pacientes suspeitos e diagnosticados com a doença. Em 2021, o HRT ampliou os serviços, trazendo esperança para à população que antes precisava se direcionar a Santarém para ser atendida. No caso das cirurgias ortopédicas, o trabalho em equipe tem sido essencial para que todo o fluxo de atendimento tenha sido cumprido com sucesso.

A diretora geral do HRT, Karla Cajaíba, destaca que, mesmo durante a pandemia, o Centro Cirúrgico do HRT tem possibilitado mais soluções e atendimento em saúde com procedimentos cirúrgicos à população da região do Tapajós com equipes multiprofissionais capacitadas e estrutura moderna que evidencia a qualidade e eficácia nos procedimentos aqui realizados. “A equipe de cirurgia ortopédica do HRT está à disposição em regime de 24 horas, realizando os mais modernos procedimentos cirúrgicos como videoartroscopia”, relata, ao destacar que os profissionais da Unidade trabalham com base em pilares estratégicos visando qualidade assistencial, segurança do paciente, excelência do serviço e humanização.

Leonard Cabral, chefe do serviço de ortopedia do HRT, expressa a satisfação em proporcionar reabilitação aos pacientes da região. “É uma realização profissional, visto que antes esses pacientes esperavam por dias a disponibilidade do leito e agora podemos realizar aqui no HRT”, explica. Ele também destaca a agilidade das equipes no transporte dos pacientes politraumatizados até a unidade, pois grande parte dos processos cirúrgicos está em quadro inicial, o que garante melhores resultados para os pacientes.

Após um acidente de trânsito no distrito de Caracol, no município de Trairão, Djhuly Eferson, de 30 anos, foi encaminhado para o HRT. O paciente precisou realizar cinco cirurgias ortopédicas: ombro, fêmur, joelho, tornozelo e pé. Hoje em fase de recuperação, Eferson agradece a todos os profissionais que acompanharam o seu caso e pela rapidez nos procedimentos. “Cheguei no hospital e já fui atendido de imediato e encaminhado para a sala de cirurgia, estava muito preocupado com minha situação, se ia perder algum membro ou não. Achei de uma rapidez extrema como foram sanadas minhas dúvidas e como fui atendido. Acredito que se fosse em outro hospital o atendimento seria bem mais demorado, pois meu caso era gravíssimo e bem complexo”, contou.

Além de manter o atendimento em traumatologia por 24 horas em regime de porta aberta e o atendimento a pacientes com Covid-19, o HRT mantém consultas ambulatoriais nas especialidades nefrologia, cirurgia geral, urologia, ortopedia, neurologia clínica, neurocirurgia, cardiologia, anesteologia, vascular e dermatologia. Por outro lado, o centro cirúrgico tem ofertado cirurgias eletivas mensais nas especialidades de cirurgia geral, urologia, ortopedia, neurocirurgia, vascular e cirurgia de cabeça e pescoço.

As consultas ambulatoriais e cirurgias vão ser agendadas via regulação estadual, em que os pacientes serão encaminhados ao HRT pela central reguladora de vagas de cada município via sistema, que fará o agendamento das consultas e cirurgias de acordo com a disponibilidade de vagas existentes para as determinadas especialidades ofertadas na unidade.

(Com a colaboração de Douglas Gomes – Ascom/HRT)

Você pode gostar...