Livro abordará história da saúde pública na Primeira República no Pará

Para comemorar os 100 anos de funcionamento do Hospital Pronto-Socorro Municipal Mário Pinotti, (HPSM), no próximo dia 21 de agosto, a Imprensa Oficial do Estado do Pará (Ioepa) e a Secretaria Municipal de Saúde (Sesma) fizeram uma parceria para a publicação em e-book do livro “As Políticas de Saúde do Pará na Primeira República”, do médico sanitarista José Raimundo da Silva Árias e da professora Regina Barbosa da Costa, ambos atuando como servidores públicos em suas respectivas áreas.

Os autores pesquisaram os atos governamentais estaduais e municipais relativos à saúde, no Estado do Pará, nos governos republicanos entre os anos 1889 a 1930, publicados em diversas fontes, mas principalmente no Diário Oficial do Estado (DOE).

O presidente da Ioepa, Jorge Panzera, e o coordenador da Editora Pública Dalcídio Jurandir, Moisés Alves, reuniram-se com os autores do livro na sede da autarquia para fechar a parceria e acertar a publicação, inicialmente em e-book e, mais tarde, o livro físico. “Esse tipo de livro revela como DOE é importante para a salvaguarda da memória documental do Estado do Pará”, opinou Panzera.

Já Moisés Alves disse que o livro traz à tona não só a criação de instituições como o Pronto-Socorro Municipal, assim como outras ligadas à saúde no Pará. “Esta parceria com a Sesma nos enche de orgulho e nos dá a oportunidade para estreitar ainda mais a aproximação do Governo do Pará com a Prefeitura de Belém, com a publicação de uma obra de fôlego como essa”, disse o coordenador da “Dalcídio Jurandir”.

A professora Regina Barbosa da Costa disse que com o advento do estado republicano, instituições foram organizadas para prestar ações e serviços de saúde à população. “Dentre essas instituições temos os serviços da Junta de Higiene, que sofrerá transformações até atingir o status de Diretoria Geral e, posteriormente, dará origem a Secretaria Estadual de Saúde. O serviço de verificação de óbitos será modificado para Serviço Médico Legal, e depois dará origem ao Instituto Médico Legal e, concomitantemente, ao Hospital de Pronto Socorro Municipal”, afirmou a professora sobre as mudanças que ocorreram no PSM da 14.

A pesquisa teve a duração de sete anos e envolveu como fontes primárias a Fundação Cultural do Pará, no setor de microfilme e periódicos e livros do acervo de obras raras; a Universidade Federal do Pará, com o acervo de livros, teses e dissertações; o arquivo da Prodepa; e o Centro de Estudos do HPSM-MP. “O periódico que deu a diretriz no trabalho foi o da DOE, da Imprensa Oficial do Estado. No entanto, foram consultados jornais da época como a ‘Folha do Norte’ e ‘A República'”, informou Regina Barbosa da Costa.

A obra será voltada principalmente a pesquisadores da área da saúde, história, antropologia e a todos que se interessarem pela história e memória das instituições públicas no Estado do Pará. “O livro discorre sobre a instauração do governo republicano e as mudanças ocasionadas na área da saúde e apresenta a situação dicotômica que se criou entre a higiene e o distrito sanitário, até hoje presente, mesmo com o esforço de superação por meio do conceito da diretriz organizativa do SUS. As mudanças na área de saúde sempre passam pelas políticas de governo. Os pesquisadores precisam fazer, em princípio, este olhar para que, assim, possam discorrer sobre a questão saúde”, relatou a professora.

Maria Regina diz que a pesquisa revelou muitos fatos que estavam escondidos e que foi surpreendida com as descobertas que fez: “Jamais poderíamos imaginar que o HPSM, por exemplo, teve sua origem na Central de Polícia (instituição do Estado) a partir de ato de Lauro Sodré. Essa é uma das descobertas que o livro traz”, finaliza.

Texto: Ascom Ioepa

Você pode gostar...