Sespa e Conass realizam oficina sobre contratualização de serviços hospitalares

A consultora do Conass e mediadora da oficina, Elisabete Dutra

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) e o Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass) realizaram até esta terça-feira (24), no auditório do Centro Integrado de Inclusão e Reabilitação (CIIR), em Belém, uma oficina sobre contratualização de serviços hospitalares direcionada aos técnicos de áreas administrativas da Sespa e do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Pará (Cosems).

O treinamento faz parte de uma das áreas temáticas do Programa de Apoio às Secretarias Estaduais de Saúde (Pases), proposto pelo Conass, com o intuito de desenvolver competências para qualificar contratos para a rede hospitalar em todo o Brasil envolvendo varias áreas, como a jurídica, regulação, regionalização e redes de atenção. A Oficina busca realizar um diagnóstico sobre a capacidade da rede de serviços de saúde de gestão estadual, e utilizar os contratos como ferramentas de gestão aprimorada.

Além da temática da contratualização, o apoio do Conass ainda é extensivo a outras áreas, sempre com ênfase na eficiência da gestão e na organização de serviços. O Pases promove o apoio à elaboração de conteúdos técnicos e usa novas metodologias para esta ação, tudo para consolidar o Sistema Único de Saúde (SUS). “A ideia também é fazer, um amplo diagnóstico situacional, a ao final desse encontro, ter um plano de ação para qualificar a contratualização na Sespa, reutilizando estratégias que podem aprimorar o planejamento, para que sejam desenvolvidas ações que favoreçam e auxiliem a viabilização dos contratos eficientes, efetivos, de qualidade, e de acordo com as necessidades da nossa população”, explica a consultora do Conselho e mediadora da oficina, Elisabete Dutra.

Debora Jares, assessora de gabinete da Sespa, e uma das mediadoras da oficina

Segundo o secretário de Saúde do Pará e presidente do Conass, Alberto Beltrame, elementos da regulação da atenção à saúde e do acesso tais como o monitoramento e a avaliação, são importantes pautas de discussões durante a oficina, devido à relação estreita entre o fortalecimento da contratualização e a necessidade de mostrar o correto e eficaz uso dos recursos federais e estaduais, além de facilitar a criação de condições favoráveis ao acesso para os serviços hospitalares e ambulatoriais estaduais, numa rede de serviços bem planejada, conforme a necessidade da população, e dentro das políticas públicas de saúde.

Fotos de José Pantoja (Ascom/Sespa).

Você pode gostar...